40 anos de “Love Over Gold”: O trabalho de maior pretensão do Dire Straits.

Que o Dire Straits é uma banda extremamente talentosa e de qualidade autoral a gente sabe. E a maior parte do mérito sem dúvida vai para a genialidade do guitarrista Mark Knopfler que soube desenvolver uma grande sonoridade. No dia de hoje comemoramos os 40 anos de um disco não tão badalado porém muito bom deles, o “Love Over Gold”!

Este é o quarto disco da banda que vinha do lançamento de um disco importante, o “Making Movies” de 1980, neste momento a banda dava passos importantes em direção á moldagem da sua sonoridade que a gente conheceu nos anos 80. E em seguida eles começaram a trabalhar num novo disco aproveitando os embalos de um fim de turnê, seria o “Love Over Gold”!

Esse disco seria ainda mais épico que seu anterior em termos de sonoridade e um pouco mais pretencioso no bom sentido, carregaria um das maiores composições da carreira da banda. Estruturalmente seria um pouco diferente, apenas 5 longas músicas climáticas e uma vibe mais séria. A produção por sinal é cristalina, extremo bom gosto.

Falando um pouco sobre as músicas o grande destaque desse disco é sem dúvida a obra de arte chamada “Telegraph Road”, uma switch de 14 minutos de duração, ela abre o disco de maneira épica. Composta por Mark, ela foi inspirada durante uma viajem em que a banda percorria essa estrada em Detroit. E a outra música que eu destaco nesse disco é “Private Investigations”, outra peça fundamental no disco, quase uma composição do Pink Floyd.

Na minha opinião, o disco “Love Over Gold” é um grande trabalho dentro da discografia do Dire Straits, porém eu sinto que a galera as vezes o deixa um pouco de lado. De fato é um disco difícil mas merece uma audição cuidadosa e serena! Fica como recomendação nos 40 anos de seu lançamento!

Autor: Neto Rocha

24 anos, e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.