55 anos de “The Piper At Gates Of Down”: A monumental estreia do Pink Floyd.

Acabou a brincadeira, chegou o dia de um peso pesado aqui no Entre Acordes. O Pink Floyd é das bandas mais impactantes que eu já ouvi na vida, tantos discos importantes, obras perfeitas da história da música. No dia de hoje vamos celebrar e comentar sobre o disco de estreia da banda, o “The Piper At Gates Of Down”!

Borbulhando na cena britânica do Rock de 1967, uma banda formada pelos ainda jovens estudantes Roger Waters, Syd Barrett, Nick Mason e Richard Wright surgia em meio ao psicodelismo forte que permeava entre a maioria dos artistas daquela época. E inspirados pelos blueseiros Pink Anderson e Floyd Council, que Syd ouvia a banda montou esse nome que acabou virando uma marca icônica.

Falando um pouco sobre a sonoridade do disco ele tem a cara dos anos 60, mas com um nível acima de elementos de psicodelismo ao passo que somos surpreendidos com uma onda de surf rock e vocais que percorrem todo o ambiente que ele é tocado. Esse trabalho ainda não apresenta um grande conceito por trás mas sem dúvida a gente o percece como algo uniforme, nas músicas vemos uma alternância entre canções mais curtas e algumas jams experimentais.

Dos destaques, eu falo logo de cara de “Astronomy Domine”, um início grandioso, forte uma das favoritas dos fãs da banda, já nos mostra uma personalidade muito proeminente da banda e inspiração para se destacar num disco de estreia. E a minha faixa favorita presente nessa obra de arte é “Interestellar Overdrive”, que carrega um riff de guitarra fantástico, daquelas inesquecíveis. Muita gente fez belos covers e talvez seja a mais popular desse disco. E eu também gostaria de destacar a faixa de encerramento “Bike”. Mas vale pontuar que não encontramos faixas ruins pelo trabalho.

O disco “The Piper at the Gates of Dawn” é um trabalho tão fechado e diferente dos posteriores da banda que ele é tratado como um marco que divide a carreira do Pink Floyd como a era Syd Barrett, e eu acho isso justo, levando em conta o disco é único e carrega uma sonoridade forte de personalidade com a assinatura de Syd. É um trabalho amado e idolatrado pelos fãs e merece demais todas comemorações e honras nos 55 anos de seu lançamento!









Autor: Neto Rocha

24 anos, e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.