”Hey Jude”: A perfeição de Wilson Pickett.

Apesar de ser bastante valorizado pela crítica, Wilson Pickett não é um nome muito comentando pelo grande público em geral. Ele foi um verdadeiro monstro nos palcos e infelizmente carece por falta de divulgação da sua interessantíssima carreira. E hoje, eu resolvi recomendar o disco que talvez seja o melhor de sua carreira, o grande ”Hey Jude”!

O disco foi lançado em 1969. É daqueles discos-padrão que todo mundo gosta, direto ao assunto, visceral mas ao mesmo tempo bem acabado e sucinto com seus 31 minutos de duração. Uma das grandes curiosidades por trás desse trabalho é a participação de Duane Allman (guitarrista da The Allman Brothers Band) em algumas faixas.

Eric Clapton, uma vez disse que quando ouviu a guitarra de Duane em ”Hey Jude”, ficou completamente impressionado com a perfomance e isso foi um grande motivo para Duane participar das gravações do disco Layla And Other Assorted Love Songs.

Agora deixando as curiosidades sobre os bastidores de lado, o disco é simplesmente perfeito, sem nenhuma faixa fraca. As perfomances de Wilson Pickett como vocalista é de arrepiar em cada uma delas. Ele oscila de maneira muito inteligente suas linha vocais, desde algo mais contido até uma força incrível na mesma música, é de um bom gosto e técnica incrível!

A faixa de abertura, ”Save Me”, transmite uma vibe muito agradável, assim como ”Toe Hold” .”Hey Jude”, é um cover da maneira que deve ser feito, com referências à versão original, mas com uma pitada de identidade do músico que está fazendo a versão, sem contar o solo antológico de Duane, é o tipo de perfomance num geral que faz muita falta nos dias de hoje.

”Hey Jude” é daquele tipo de disco que surpreende. Apesar de não se configurar como uma obra prima obrigatória, ele merece muito que seja mais divulgado e ouvido pela galera. Wilson Pickett foi um monstro e convido vocês a descobrirem ou revisitarem sua obra como um todo, fica a recomendação!

Autor: Neto Rocha

23 anos, e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

3 pensamentos

  1. A cover de Born to Be Wild também ficou boa.
    Pickett conseguiu aproximar o rock’n’roll da ocasião de sua matriz r&b, e aí está!
    As outras canções são exemplos do som de Muscle Shoals, Southern Soul de qualidade.
    Duane Alman é um toque de blues sempre bem-vindo. É para ouvir, e ter esperança!

    Curtir

      1. Este Southeen Soul é demais! Um outro exemplo do que ele podia fazer é The Exciting Wilson Pickett, de 1966.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s