30 anos de ”Innuendo”: A angustiante despedida de Freddie Mercury.

Dos discos de despedida do Rock, o Queen talvez tenha um dos mais marcantes. Alguns artistas tiram inspiração em meio a esse momento triste para compor e na maioria das vezes resulta em trabalhos fantásticos como ”You Want It Darker” do Leonard Cohen, o ”Blackstar” do David Bowie. Outro exemplo desse tipo de trabalho, o ”Innuendo” do Queen, está completando hoje exatos 30 anos de seu lançamento. Vamos aproveitar para falar um pouco sobre ele.

Acredita-se que Freddie tenha descoberto sua condição (AIDS) em 1986, a banda ainda seguiu fazendo shows até 1987, após este período a saúde de Freddie começou a se deteriorar aos poucos e a banda focou mais suas forças em estúdio. Em 1989, a banda lançou o irregular ”The Miracle”, um disco diferente e que abraçou a sonoridade da época. Freddie também se arriscou num dueto fantástico com Montserrat Caballé onde mostrou ao mundo seu talento e inclinação para a ópera.

Ou seja, o Queen sofreu alterações internas e externas por diversos motivos e saúde do vocalista precisava ser encarada da melhor maneira possível, dessa forma, a banda se afastou dos holofotes e Freddie apareceu pouquíssimas vezes em público. Sabendo a maneira que Freddie lidava com a música, a gente podia esperar que ele não sairia do estúdio enquanto pudesse ficar em pé. Dessa forma, o Queen entrou em estúdio e Mercury desempenhou pela última vez todo o seu feeling e técnica, esse disco seria o ”Innuendo”.

O disco teria uma sonoridade bem pesada e bem produzida, o peso da bateria e guitarra são bem aparentes e nítidos. Apesar de bem magro e frágil, Freddie Mercury está com a voz levemente afetada no timbre, mas sua força e técnica se mantém com excelência. É possível notar isso em cada uma das faixas, vamos falar um pouco sobre elas.

Ele já abre com a faixa-título, ”Innuendo”, quase que uma continuação de ‘’Bohemian Rhapsody’’, suas estruturas são bastante parecidas, uma switch com seus mais de 6 minutos. Um épico com um vocal de alto nível de Freddie e varias passagens instrumentais imprevisíveis fazem da faixa um verdadeiro clássico. Como curiosidade, Steve Howe da banda ‘’Yes’’ faz um lindo solo de violão. ‘’I’m Going Slighty Mad’’, uma das faixas mais obscuras do disco. Um trabalho lindo de guitarra de Brian May e um vocal mais contido de Freddie. Gostaria de registrar também o clipe dela que é bem divertido. ‘’These Are The Days Of Our Lives’’, grande música talvez a mais pop do disco. Ficou muito lembrada por conta do seu clipe, que é chocante por conta do estado físico de Freddie. Ver Making Of do videoclipe. ‘’Don’t Try So Hard’’, faixa cantada por Freddie quase que toda com o falsete. Aqui ele pega notas altíssimas e surpreende mais uma vez, lembrando que ele estava muito debilitado. Talvez minha faixa favorita do disco.

”Innuendo” foi uma despedida angustiante porém muito sincera e verdadeira de Freddie Mercury com o Queen, é um disco verdadeiramente subestimado, as pessoas sequer comentam sobre ele e muitas delas nem sabem da sua existência, o que é um grande erro. Eu entendo que o disco não possui nenhum hit e a banda nem teve a oportunidade de fazer uma turnê de divulgação, mas mesmo assim fez um sucesso interessante com o público da época. Eu reforço o tamanho do valor artístico desse trabalho, fica a recomendação e homenagem a Freddie e a esse disco incrível!

Autor: Neto Rocha

23 anos, e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s