55 anos de ”A Quick One”: O disco que colaborou com a afirmação do The Who.

Voltando à saga das celebrações dos aniversariantes de 1966, temos um gigante nesse começo de dezembro, um disco de uma das bandas mais importantes da história do Rock. Para os fãs de The Who, vamos comemorar os 55 anos de ”A Quick One”!

Como já falamos algumas vezes aqui, o ano de 1966 foi bem movimento nos lançamentos, todas as bandas estavam numa espécie de transição, e o psicodelismo vinha a todo vapor pra cima do Rock. O The Who particularmente estava bem no início de carreira, até então a banda havia lançado apenas um disco, a fantástica estreia ”My Generation” que balançou as estruturas do Rock.

No ano seguinte, a banda seguiu trabalhando em busca de sua identidade e começou a absorver um pouco desse psicodelismo e experimentalismo que chegaria ao ápice apenas no ano seguinte, mas esse papo fica para ano que vem. Acontece que esse disco de 1966 precisava ser um acerto já que os concorrentes ingleses já estavam consolidando sua sonoridade com muito vigor e precisão e o The Who soube muito bem o que fazer.

O disco se chamaria ”A Quick One”, ele já traria clássicos peso pesados da banda. Ele abre com ”Run Run Run”, um Rock N’ Roll denso porém bem pop, é uma boa carta de apresentação de como é o disco. ”Boris The Spider’‘ é uma composição muito interessante do baixista John Entwistle, acabou se tornando um dos maiores clássicos da banda, quem ai nunca imitou John cantando a parte do título?

Agora se eu tivesse que cravar a minha favorita do disco, sem dúvida seria ”Heat Wave”, uma faixa que eu considero subestimada pelos fãs da banda, eu não entendo com ela não está presente nos setlist da banda, grande música! Um destaque estrondoso e já relevando o lado épico que a banda exploraria é ”So Sad About Us”, grande momento. Já a faixa mais popular do disco é a excêntrica e experimental switch chamada ”A Quick One, While He’s Away”, com seus 9 minutos de duração ela é uma verdadeira composição grandiosa e ousada, todas as suas partes são fantásticas e nos evidencia um The Who buscando algo fora da casinha.

De considerações finais, o disco ”A Quick One” é um trabalho fácil de gostar, apesar dele flertar com algum psicodelismo, ele ainda é muito pop, fechado e bem amarrado, um dos melhores discos do ano de 1966. E nele já vemos a semente da personalidade musical crescendo consideravelmente, que banda meus amigos, que banda! Fica a nossa homenagem!

Autor: Neto Rocha

24 anos, e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s