25 anos de ”Alice in Chains”: Um acerto em meio ao transtorno no Alice In Chains.

Alice In Chains se enquadra perfeitamente entre as bandas mais pesadas de todos os tempos. Nos anos 90, eles reinaram com excelência pelo movimento Grunge e se destacaram com discos muito coesos e fortes. Um deles está completando 25 anos, e hoje aqui no Entre Acordes, vamos conversar um pouco sobre tudo que cerca o disco ”Alice in Chains”!

A banda vinha numa crescente discográfica, em 1990, eles estrearam com o espetacular ”Facelift” que já ganhou uma resenha aqui no blog, 2 anos depois em 1992, eles lançaram o disco mais pesado e denso do grupo, o ”Dirt”, em 1994, conhecemos os EPs, ”Jar Of Flies/SAP” que não entraram no catálogo especificamente como um disco cheio. No ano seguinte, em 1995, a banda entra em estúdio para a gravação de seu terceiro disco, o auto intitulado ”Alice In Chains”, também conhecido como o ”disco do cachorro”, o protagonista de hoje!

Esse disco é marcado como o último de estúdio com Layne Staley nos vocais. Na época, ele estava na reabilitação e a banda estava pronta para começar uma turnê de verão, mas infelizmente, Layne sofreu um recaída e essa turnê foi cancelada, esses acontecimentos levaram a banda à um hiato, nesse meio tempo, Layne começou um projeto chamado ”Mad Season” que já também já ganhou um post especial aqui no Entre Acordes.

Enquanto isso, a banda começa a compor o seu terceiro disco de estúdio sem Layne, e mais tarde, ele retornaria para a banda e terminaria as composições e gravações das músicas que viriam integrar o ”disco do cachorro”, inclusive a capa que contém um cachorro com três patas, seria referência ao terceiro trabalho deles. A sonoridade seria parecida com os discos anteriores da banda, porém um pouco menos pesada, as letras se baseavam em deseperança e drogas.

Das músicas do disco, eu gostaria de destacar ”Sludgy Factory”, a longa faixa com seus mais de 7 minutos, é uma das mais pesadas do disco, ela possui um riff insistente durante todo o seu andamento, ela cria um clima bem pesado e interessante no contexto do disco. ”Heaven Beside You”, com certeza é a minha favorita do disco e uma das minhas favoritas de toda a carreira da banda, uma faixa bem mais leve que as demais, sonoramente falando, grande momento. ”Again”, também é um clássico, uma pedrada de Rock N’ Roll, chega até a ser meio psicodélica e resgata bastante a vibe do disco ”Dirt”.

Apesar de ter sido concebido num momento não tão favorável da banda, o disco ”Alice in Chains” foi muito bem recebido pelo público e crítica. Ele não teve um desempenho igual ao último disco, o ”Dirt”, mas ainda assim foi muito bem e mostrou que Layne ainda tinha lenha pra queimar apesar de infelizmente, esse ser seu último disco de estúdio pela banda. Acredito que seja um dos melhores lançamentos do ano de 1995 e merece todas as homenagens, talvez não seja o disco que todos ouçam regularmente, mas vale revisitá-lo com mais atenção!

Autor: Neto Rocha

23 anos. Grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário