40 anos de ”Zenyatta Mondatta”: Mais um disco perfeito do The Police.

Falar da discografia do The Police é sempre um prazer enorme! A banda lançou apenas 5 grandes discos, todos sem gordura, e deixou pra gente muito material bom! Hoje um de seus melhores discos está completando exatos 40 anos, o clássico ”Zenyatta Mondatta”!

The Police 1980

A banda vinha de seu melhor disco na minha opinião, o ”Regatta Del Blanc” de 1979. Embalados por uma turnê desse disco, a banda não tinha tanto tempo para parar e compor um novo trabalho foi então que eles começaram a escrever durante a turnê e gravaram as músicas nas horas disponíveis, e por incrível que pareça, mesmo sob uma agenda apertada e desgastante, a banda conseguiu concluir um disco maravilhoso, o ”Zenyatta Mondatta” na madrugada do dia que sairiam para uma nova turnê. Como curiosidade, o nome do disco é fictício e inventado, não possui uma origem específica.

Falando um pouco das músicas, o disco abre com nada mais nada menos que ”Don’t Stand So Close To Me”, o single que alcançou o número um da paradas, um de seus maiores clássicos e talvez minha favorita do disco. ”Driven To Tears” cria um certo clima nesse fantástico início do disco, e gostaria de destacar o som de bateria dela e do disco como um todo, o timbre perfeito. ”De Do Do Do, De Da Da Da” apesar de ser meio bobinha, eu também adoro, eu acho ela bastante divertida e pra cima, um trabalho simples e preciso. A sonoridade do disco é próxima ao disco anterior, mas eu notei uma leve sofisticação na produção das faixas, resultando numa sonoridade mais no estilo dos anos 80.

”Zenyatta Mondatta”, alcançou o número um das paradas da Austrália e do Reino Unido, é um trabalho pop praticamente perfeito, acredito que seja o segundo melhor disco da banda, o que não é pouca coisa e sem dúvida alguma, é um dos melhores lançamentos do ano de 1980, fica a nossa homenagem e recomendação!

Zenyatta Mondatta

Autor: Neto Rocha

22 anos, atleta de futebol e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário