35 anos de ”The Head On The Door”: O melhor disco do The Cure.

The Cure é uma banda complexa, tanto pelo visual quanto pelo conteúdo musical. No início de carreira, a banda era majoritariamente melancólica e não muito palatável, mas no dia 25 de Agosto de 1985 eles mudariam um pouco o seu rumo sonoros com o lançamento de ”Head On The Door” que está completando 35 anos!

The Cure 1985

A banda vinha do regular ”The Top” de 1984, e já ensaiava uma mudança daquela sonoridade ”bad vibes” que eu também adoro, mas na minha visão, essa mistura com algo mais pop e colorido é a grande parada.

Podemos ver a mudança da banda na abertura com ”Inbeetween Days”, uma faixa extremamente alegre sonoramente e assobiável, uma das minhas favoritas do disco, só aquele riff de teclado emblemático já vale. ”Push” é minha favorita do disco e de toda a carreira da banda, uma música extremamente grandiosa que nos shows se transforma numa celebração, ela tem uma longa introdução instrumental mas em seu meio, Robert Smith aparece cantando os clássicos ”GO GO GO… PUSH HIM WAY” que levanta todo mundo! Épico! Outra faixa que eu amo nesse disco é ”Close To Me”, a mais colorida do disco, muito divertida e pegajosa no bom sentido!

”The Head On The Door” foi um disco muito importante para o The Cure, além de ser um disco de transição, fez um grande sucesso, promovendo as pazes entre a banda e o público europeu! Ao lado do ”Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me” e ”Disintegration” é o meu favorito e se você ainda não deu uma chance para Robert Smith, sugiro que entre de cabeça nesse disco.

Head On The Door

Autor: Neto Rocha

22 anos, atleta de futebol e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário