50 anos de ”Let It Be”: O auge do desgaste e inspiração dos Beatles.

Hoje é um dia muito especial para o mundo da música, comemoramos os exatos 50 anos do último lançamento discográfico da maior banda de todos os tempos, o fantástico ”Let It Be”! Vamos relembrar um pouco o que acontecia naquele período dentro do estúdio e por que o fim dos Beatles era algo inevitável.

Beatles 1970

Após o lançamento do ”White Album” em 1968, os Beatles começaram a ficar dispersos, cada um começou a investir em novos projetos e a banda aos poucos iria entrar em segundo plano, as brigas também se tornariam mais frequentes. Outro motivo que inflaria o desgaste dos integrantes, seria o crescimento artístico de cada um, mais visíveis em Paul, John e George, a banda ficava pequena para tanto talento.

Paul sugeriria um novo disco, que teria as gravações iniciadas logo no dia 2 de Janeiro de 1969, a princípio seria chamado de ”Get Back”, mas seria lançado como ”Let It Be”. A novidade agora é que as sessões de gravação seriam todas filmadas e a banda optaria por um disco mais cru que os anteriores. Como curiosidade, John Lennon teria cogitado que Eric Clapton tocasse no disco, mas a ideia não foi adiante.

Comercialmente o disco foi um sucesso, tanto no Reino Unido quanto nos USA, porém a crítica não foi tão positiva, nem mesmo Paul Mccartney ficou satisfeito com o resultado final, tanto que o disco foi relançado em 2003 sem as orquestrações de Phil Spector, coisa que na minha opinião é um erro, eu adoro o ”Let It Be” de 1970.

Paul 1970

O disco abre com ”Two Of Us”, uma baladinha no melhor estilo dos Beatles, muito crua como a maior parte do disco. Lindo início!

Em seguida temos a minha música favorita do disco, ”Dig A Pony”, o trabalho da guitarra aqui é maravilhoso e melódico, o solo de guitarra apesar de bastante simples, é emocionante e transformador!

”Across The Universe’‘ por sua vez te leva para outro universo, o tipo de música que pode mudar seu dia ou sua vida, as orquestrações do Phil Spector deram mais vida á faixa.

”I Me Mine” é uma das melhores músicas do George dentro dos Beatles, como curiosidade foi a última música em que os Beatles trabalharam antes do fim da banda.

”Dig It” é praticamente uma vinheta de 50 segundos que rapidamente emenda em ”Let It Be”, que é nada mais nada menos uma das maiores composições da história da música pop, grandiosa e extremamente sentimental. Paul Mccartney teria sonhado com sua falecida mãe, e ela teria dito pra ele: ”Tudo vai ficar bem, deixe ir”. Grande destaque aqui também vai para o solo de guitarra.

”Maggie Mae” é outra vinheta, agora de 40 segundos, que emenda em ”I’ve Got A Feeling”, uma das músicas mais rock n roll dos Beatles. Destaque aqui vai para crueza da faixa e pela perfomance vocal de Paul Mccartney, uma de suas maiores perfomances vocais.

”One After 909” é uma música bacana, assim como ”For You Blue”, mas não considero grandes momentos do disco.

Entre elas, ”The Long And Winding Road”, é das 5 faixas mais emocionantes da carreira da banda. Dificilmente você não fica bastante emocionado após ouvi-la. Daquelas músicas que alteram seu estado de espírito, grande responsável por essa sensação, claro a voz do nosso querido Paul mas grande crédito também vai para as orquestrações do Phil Spector.

No encerramento do disco, ”Get Back”. Um clássico absoluto, uma faixa bem alto astral, bem enérgica e característica da banda. Tive a oportunidade ver Paul e Ringo apresentar uma versão dela ao vivo em 2018.

”Don’t Let Me Down” é das sessões porém não fez parte do lançamento do disco, ela foi lançada apenas como single junto com ”Get Back” e a música ”Let It Be”.

Apesar de ”Let It Be” ter sido o último lançamento dos Beatles, ele foi o penúltimo disco a ser gravado. Muita coisa do ”Abbey Road” foi gravado nas sessões do ”Let It Be”, e ambos os discos foram gravados em 1969, porém por conta das brigas e desavenças, ”Let It Be” ficou engavetado, e foi lançado apenas no ano seguinte em 8 de Maio de 1970.

De considerações finais, ”Let It Be” é um disco injustiçado . Eu considero um dos melhores discos dos Beatles. Infelizmente ele é o reflexo de um momento ruim da relação dos integrantes que caminhou para o fim, mas felizmente pudemos ter acesso á essa maravilha e contemplar cada uma das 12 maravilhosas faixas! Celebremos os 50 anos deste clássico! Lembrando que no próximo dia 12 de Maio estará no ar o segundo Podcast do Entre Acordes, dessa vez sobre os 50 anos do ”Let It Be”!

Beatles Let it Be.jpg

 

Anúncios

Autor: Neto Rocha

22 anos, atleta de futebol e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Nenhum pensamento

  1. Amei todas as palavras ditas por você comemorando os 50 anos deste álbum incrível. Longe de ser meu preferido, mas o amo muito. O ápice da maturidade dos caras estavam bem a flor da pele (desde o white álbum). Adoro o peso, a leveza, a emoção em todas as músicas. É um álbum onde você escuta e logo pensa “Hmmm, acho que é meu favorito em…”

Deixe um comentário