60 anos de ”Kind Of Blue”: O maior disco da história do Jazz.

Nessa semana, o clássico ”Kind Of Blue”, completa 60 anos de seu lançamento.

Alguns discos são simplesmente impossíveis de terem todos os seus detalhes, influências e importância destacados em apenas um post. ”Kind Of Blue” se enquadra perfeitamente nesse time, já que é um dos discos mais importantes da história da música.

Miles studio entre acordes

Não seria exagero dizer que o ano de 1959 foi o ano com os lançamentos mais espetaculares da história do Jazz. No mesmo ano, tivemos ”Mingus Ah Um”, ”Moanin”’, ”Time Out” entre outros. Mas para mim e para muita gente, o grande destaque vai para ”Kind Of Blue” do gênio Miles Davis.

A quantidade de trabalhos espetaculares na discografia de Miles Davis é muito grande. Ele constantemente ditava os rumos do gênero e instigava todos á sua volta a criarem e renovarem. Mesmo com tantos trabalhos geniais e perfeitos, para mim ”Kind Of Blue” é sua obra prima. Aqui a banda era formada por, Miles Davis no trompete; Bill Evans no piano; Jimmy Cobb na bateria; Paul Chambers no baixo; John Coltrane e Julian Adderley nos saxofones.

Como o titulo sugere ”Kind Of Blue” é carregado com uma vibe melancólica e triste, mas não é algo que vai te deixar mal, você vai se sentir acolhido e será convidado a viajar pelos 45 minutos de puro lirismo e sensibilidade. Diferente do disco ”Milestones” de um ano antes, aqui praticamente durante toda a experiência, a sonoridade é cadênciada e mais leve.

”So What”: Nos primeiros segundos, a música se apresenta com caltela, sentindo o ambiente, se acomodando e preparando o terreno para tudo que está por vir. Belíssima abertura.

”Freddie Freeloader”: Devidamente ambientalizado e apresentado, o disco sobe levemente seu ritmo, os solos de Miles Davis e John Coltrane aqui valem muito o destaque.

”Blue In Green”: A grande faixa do disco. Na minha visão é a música que passa exatamente a proposta de ”Kind Of Blue”. Já na primeira nota do piano, sua mente para, a partir daqui não conseguimos nos concentrar em mais nada que não seja a música.

”All Blues”: Após a anestesia de ”Blue In Green, temos uma subida no ritmo, fazendo-nos recuperar a conciência que havia sido perdida na faixa anterior. Mais uma grande música.

”Flamenco Sketches”: O encerramento não poderia ser diferente da abertura. A cadência e o lirismo toma conta de tudo. Temos os últimos 9 minutos do disco, muito provavelmente aqui sua vida já foi mudada depois de tanto feeling e genialidade. Fechando da melhor maneira, esse clássico.

miles davis kind of blue entre acordes

”Kind of Blue”, praticamente criou uma nova linguagem musical, constantemente é citado como um dos discos mais importantes e mais influentes da história. É o disco mais vendido de todos os tempos dentro do gênero. Um disco perfeito que merece todos os louros que carrega. É obrigatório para qualquer fã de música. Celebremos os 60 anos de seu lançamento.

Autor: Neto Rocha

22 anos, atleta de futebol e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário