50 anos de ”The Yes Album”: O amadurecimento do Yes.

Dos pilares do Rock Progressivo, o Yes é sem dúvida um dos mais importantes. A banda possui uma verdadeira legião de fãs fiéis pelo mundo, principalmente no Brasil. Como a maioria das bandas, eles são divididos por fases e hoje o disco não mais icônico mas meu preferido da fase clássica está completando 50 anos! Estou falando de ”The Yes Album”!

A banda estava numa excepcional crescente discográfica, eles haviam lançado dois discos, o ”Yes” de 1969 e ”Time and a World” de 1970, que na minha opinião são medianos. Já no ano de 1971 a coisa começou a ficar mais séria e uma sequência de lançamentos que se tornariam clássicos estavam por vir.

A entrada do guitarrista Steve Howe na banda faria a diferença e a sonoridade clássica do Yes estava começando a ser formada. Outro fator que pra mim foi determinante, é o fato desse disco ser o primeiro a não contar com covers. A guitarra de Howe e o baixo de Chris Squire são os grandes diferenciais da banda e neste disco não é diferente.

Uma parada que me agrada muito no disco é a sua diversidade de estilos e sua não lógica sequencial no decorrer das faixas, apesar de muito bem tocado e produzido e transmite uma vibe despretensiosa que me agrada muito. Dos destaques do disco, logo na abertura com ”Yours Is No Disgrace”, temos um épico de mais de 9 minutos, uma switch fantástica muito bem elaborada. ”The Clap” é um solo fantástico de violão no melhor estilo virtuoso de Steve Howe. ”Starship a Trooper” é sem dúvida a minha favorita do disco, uma faixa absolutamente brilhante e muito bem composta e executada, com certeza é a grande música desse disco, com uma estrutura complexa e grandiosa.

”The Yes Album” foi um grande sucesso comercial e crítico para o Yes, foi um passo extremamente importante para o que estaria por vir com outros próximos lançamentos como ”Fragile” de 1971 e ”Close To The Edge” de 1972. Foi um disco de amadurecimento e apesar de não ser uma obra prima ele é um disco que pra mim, particularmente é o melhor. De qualquer forma, fica a nossa homenagem nos 50 anos desse grande disco.

Autor: Neto Rocha

23 anos. Grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

Deixe um comentário