45 anos de “Minas”: A obra prima de Milton Nascimento.

 Milton Nascimento entra na década de 1970 com uma explosão de criatividade, seu quarto disco de carreira, lançado em 1970, o “Milton”, conta com o apoio do Som Imaginário, na época composto por Wagner Tiso, Tavito, Zé Rodrix, Frederyko, Luiz Alves e Robertinho Silva. Em 1972, em parceria com Lô Borges, lança o ‘’Clube da Esquina’’, talvez o disco mais conhecido de sua carreira. O álbum contou mais uma vez com o Som Imaginário, Beto Guedes, Toninho Horta e ainda a participação de Gonzaguinha. O disco é sempre listado como um dos melhores da música brasileira.

   Ainda com o Som Imaginário, Milton lança mais dois discos, o ‘’Milagre dos Peixes’’ e o ‘’Milagre dos peixes Ao vivo’’. Em ambos os disco, Milton teve algumas composições vetadas pela censura, porém Milton decide prosseguir com o projeto. No ‘’Milagre dos peixes Ao vivo’’ Entra algumas composições novas, onde houve censura, Milton e sua banda pegam pesado entre experimentações vocais e um instrumental que até hoje dá uma aura mística ao disco.   

   Bituca parecia ter chegado ao ápice de sua criatividade, mas é ai que você se engana, é em 1975, depois de todas essas perolas da música brasileira, que Milton lança sua obra prima o ‘’Minas’’. Com a participação de seus amigos e parceiros Lô Borges, Beto Guedes,, Wagner Tiso, Toninho Horta e Fernando Brant, Milton vem com  um  disco  com uma esfera melódica e repleta de simbologia religiosa, coisa presente em quase toda a obra do cantor.

   A capa do disco traz o rosto de Milton Nascimento em um enquadramento de plano detalhe, exaltando um Milton afro-brasileiro e suas raízes negras. A foto foi do fotografo Cafi e do diretor de arte Noguchi. O encarte trazia uma serra de três pontas com um sol acima e um trenzinho passando embaixo, curiosamente esse desenho do encarte se tornou a capa do disco seguinte do cantor, o ‘’Gerais’’.

O encarte ainda possuía a seguinte frase: ‘’O disco é dedicado a todas as pessoas que ajudaram e pro Rúbeo, um menino que juntou as sílabas do meu nome e descobriu o título’’. Rúbeo era um garoto do coral que participou em algumas músicas, nele o garoto indica ao Milton que junte as primeiras sílabas de seu nome e desse nome ao álbum, pois a junção formava a palavra ‘MiNas’’. Fantástico.

   O álbum começa com uma música instrumental,  ‘’Minas/Paula e Bebeto’’, composta coro  infantil e com Milton usando sua voz em forma de instrumento mostrando que aquilo ali não era brincadeira. Seguindo, vem talvez, a música mais conhecida da obra, ‘’Fé cega, Faca amolada’’, com uma letra que travada de fé e força, a música era bastante contundente para os dias de ditadura, a faixa conta com a participação vocal de Beto Guedes.

   O ‘’Minas’’ traz bastante à tona as vivencias e memorias do seu autor, isso fica evidente na faixa ‘’Beijo partido’’, ‘’Gran Circo’’ e ‘’Saudades dos aviões de Panair (Conversa no bar)’’, a última citada mostra Milton em um vocal saudoso e ao fundo um misto de vozes entre cantos e experimentação vocal. A música já tinha sido lançado um anos antes no discos ‘’Elis’’ da cantora Elis Regina dando grande notoriedade a música.  Elis gravou também em seu disco de 1974, anterior ao ‘’Minas’’ a música ‘’Ponta de areia’’, musica esse que ficou bem conhecida tanto  na carreira de Bituca como na de Elis. Mais uma vez, essa canção transporta o ouvinte  para uma esfera de lembranças, uma imagem saudosista.

   ‘’Trastevere’’ vem com um som bem pesado, Milton e sua banda bombardeia com um arranjo que remete ao barulho de agonia de uma cidade grande, não é à toa, o arranjo faz simbiose com a letra da música. A letra conta a história de uma criança e suas agonias ao se deparar com uma metrópole. ‘’Idolatrada’’ e ‘’Leila (venha ser feliz)’’ leva a sentimentos e sensações de evolução, de uma passagem ou mudança de ciclo, sem falar nos arranjos que vai do rock ao jazz, passando pela  música regional mineira.

    ‘’Qualquer maneira de amor vale a pena’’ Frase de Caetano Veloso para a melodia da décima faixa do ‘’Minas’’, ‘’Paula e Bebeto’’, a parceria de Milton Nascimento com Caetano Veloso, essas parcerias são raras, mas bela, e quando acontece da no que deu, ‘’Paula e Bebeto foi uma das músicas mais regravada da carreira de Bituca.

   A viagem do ‘’Minas’’ começa a chegar em suas faixas derradeiras, ‘’Simples’’, antepenúltima música, aparece com uma bagagem explicita de jazz e rock progressivo, o próprio disco ‘’Minas’’ é considerado um álbum de progressivo, mentira não é. Milton ainda abrilhanta o disco com um belíssimo couver de Beatles, ‘’Norwegian Wood (This Bird has Flown)’’, música do Rubber Soul da banda britânica lançada em 1965. Dez anos depois, Milton dá uma roupagem totalmente diferente da original, chegando a dar vida própria ao couver, Beatles  à lá Milton Nascimento. ‘’Caso você queira Saber’’ encerra o disco ‘’Minas’’, tanto ela quanto a anterior contam com a participação de Beto Guedes nos vocais. A última faixa soa como uma assinatura de Milton nascimento, confirmando toda a narrativa do disco desde a primeira faixa.

   Milton Nascimento conseguiu no ‘’Minas’’ ser mineiro, brasileiro, jazzista, regional, chegando até ser progressivo, com muita originalidade, uma banda que está mais para um Super Grupo, além de uma singularidade que é própria do cantor. O ‘’Minas’’ não é apenas o melhor álbum da carreira de Milton Nascimento, é também um dos melhores da música brasileira.

Deixe um comentário