45 anos de ”Wish You Were Here”: Um dos maiores discos conceituais de todos os tempos.

Sabe aquele tipo de disco que faz você viajar por cada segundo e te emociona do início ao fim? Pois é, o Pink Floyd foi uma das bandas que mais soube fazer isso, e em 1975 eles se encontravam num momento delicado e lançaram um disco totalmente revolucionário, ”Wish You Were Here” está completando exatos 45 anos no dia de hoje.

Pink Floyd Studii
”Foi um período muito difícil, devo dizer. Todos os seus sonhos de infância foram realizados e tivemos os discos mais vendidos do mundo e todas as coisas pelas quais você se interessou. As meninas, o dinheiro, a fama e todas essas coisas eram tudo … tudo meio que apareceu no nosso caminho e você teve que reavaliar o que estava nele depois disso, e foi um tempo bastante confuso e vazio”. – David Gilmour

A banda atravessava um momento delicado, mas não no sentido ruim, eles haviam lançado em 1973 um dos maiores se não o maior disco da história da música pop, ”The Dark Side Of The Moon”, e o que uma banda deve fazer na sequência de seu maior disco? É uma situação muito difícil porque não é simples fazer um disco sucessor de mesmo nível ou até mais alto. Mas acontece que só bandas como Pink Floyd conseguiriam concluir uma missão como essa, eles encontraram inspiração para a gravação de um sucessor a altura, ”Wish You Were Here”.

No Abbey Road Studios, a banda se encontrava com certa dificuldade de encontrar um conceito para direcionar as composições do disco. E durante as sessões de gravação, algo inesperado aconteceu, o ex-integrante e fundador da banda ”Syd Barret” apareceu para uma visita não programada, após vários anos sem qualquer contato, ele estava completamente diferente de antes, gordo, careca e com algumas sacolas de supermercado nas mãos. Os membros da banda demoraram para realizar que era Syd Barrett, e quando notaram, todos ficaram bastante emocionados. Era a inspiração que a banda precisava para direcionar o disco, ”Gostaríamos que você estivesse aqui”, Syd.

O disco abre com ”Shine On Your Crazy Diamond (Pts.1-5)”, uma grande switch épica do Pink Floyd, mais uma delas! Ela começa com os teclados climáticos de Richard Wright, e somente após os 4 primeiros minutos, David Gilmour entra com algumas notas lindíssimas, aumentando ainda mais a grandiosidade do disco, o maior destaque são os solos totalmente não previsíveis que ele desenvolve durante toda a faixa, seus primeiros versos aparecem com apenas 8 minutos, a letra seria uma homenagem à Syd Barrett, Roger Waters desmente isso. ”Welcome to the Machine”, é uma crítica à industria da música e apesar de ter sido um dos singles do disco, musicalmente é a que eu menos gosto. ”Have a Cigar”, por sua vez é um grande momento, ela conta com um mais um grande trabalho de guitarra de David Gilmour e como curiosidade em seus vocais, não é David nem Roger, na verdade quem desempenha os vocais nessa faixa como convidado é o músico Roy Harper. ”Wish You Were Here”, dispensa maiores apresentações, é uma das maiores baladas de todos os tempos, a faixa titulo é extremamente emocionante e grandiosa, uma clara homenagem á Syd Barrett representando todo o conceito, uma música que muda tudo, muda a vida das pessoas e atravessa gerações. Para fechar o disco,”Shine On Your Crazy Diamond (Pts.1-5)”, a segunda e última parte dessa grande faixa, é mais agitada e não contém letra, é como se fosse os créditos do fim de uma história, encerramento de maneira muito grandiosa como só o Pink Floyd sabe fazer.

O lançamento do disco foi um sucesso enorme, consolidando de vez o crescimento da banda, na década de 70, que contaria com outros 2 grandes discos conceituais e de sucesso comercial. Uma observação interessante no lançamento do disco, é que ele foi acompanhado com uma caixa com itens promocionais que nos dias de hoje se tornaram tão comuns, eles foram inovadores até nisso.

A capa é um clássico a parte, como sempre se tratando de Pink Floyd. É uma fotografia feita por Aubrey “Po” Powell, e foi lançada pela famosa Hipgnosis, talvez a maior indústria de capas da história, ela mostra dois homens dando as mãos, e um deles está pegando fogo, essa foto é real e se você procurar alguns outtakes dessa sessão vai ver ele em chamas enquanto corre. A mensagem dela seria de que as pessoas escondem seus verdadeiros sentimentos com medo de se queimar, para a foto dois dublês foram contratados e o que está pegando fogo estava usando um traje especial por baixo do terno e em sua cabeça estava uma toca com uma peruca.

”Wish You Were Here” é um disco importante para a banda, eles mostraram que apesar de muito difícil, é possível registrar um disco de mesmo nível ou melhor logo após atingir o ápice, um dos caminhos para atingir isso, além de muito talento, precisa-se verdade e sentimento. Fica nossa homenagem, nos 45 anos de um dos maiores e melhores trabalhos da história!

Wish You Where Here Album

Autor: Neto Rocha

22 anos, atleta de futebol e grande entusiasta de uma das coisas mais poderosas inventadas pelo homem, a música.

6 pensamentos

  1. Em 2019, meu “segundo” disco favorito do Pink Floyd, o duplo The Wall, completou 40 anos de lançamento no final de novembro e ganhou uma homenagem do blog EntreAcordes. E hoje, 12 de setembro de 2020, o meu “primeiro” disco favorito da banda completa quatro décadas e meia, para mim o melhor disco lançado em 1975. Wish You Were Here veio dois anos depois do best-seller The Dark Side of the Moon e conseguiu mostrar ao mundo que o quarteto comandado por Roger Waters foi capaz de manter o nível anterior, mesmo com todo o clima tenso que rolava em seus bastidores.

    Este trabalho primoroso da banda retrata as desilusões do mundo do Show Business (“Welcome to the Machine” e “Have a Cigar” com a participação de Roy Harper), ao mesmo tempo em que eles prestam uma homenagem ao ex-membro Syd Barrett com a famosa faixa-título, além de iniciar e encerrar o LP com as duas partes de “Shine on You Crazy Diamond” (sacada de mestre por parte da banda). Enfim, WYWH é um disco que toda e qualquer pessoa fã de boa música tem que ter em sua coleção, para ouvir e ouvir sempre. Parabéns pelas suas quatro décadas e meia!

    PS: alguns posts do Entreacordes estão desaparecendo inexplicavelmente, como o post dos 50 anos de In Rock (Deep Purple), a resenha de Firepower (Judas Priest) e o texto dos 35 anos de Powerslave (Iron Maiden). O que está realmente acontecendo neste blog?

    1. Resenha praticamente perfeita, Igor! É isso mesmo que o Wish You Were Here representa para a história do Rock! Um dos maiores discos de todos os tempos!

      Agora do relação aos posts que desapareceram, se deve ao fato de ex-integrantes do Blog sairem por própria opção e solicitaram a retirada de seus textos, este é o motivo. Grande abraço, cara!

      1. Obrigado pela primeira resposta, patrão! Wish You Were Here é realmente um clássico da música mundial. E quanto ao outro assunto, eu não acho justo a saída dos ex-integrantes do blog e seus textos estarem fora deste site… Eles falaram de discos que eu admiro muito e não acho correto eles deixarem o blog e suas resenhas saírem de circulação aqui. Esses caras merecem sim uma segunda chance de voltar!

      2. Agradeço pela participação, Igor. E como eu disse antes, foi 100% por opção deles, tantos a saída, quanto os textos! Abraço

Deixe uma resposta para Otavio Cancelar resposta