“Vienna”: 40 anos do pop vigoroso do Ultravox

O New Romantics foi um movimento musical que começou a despontar nos últimos anos da década de 70 e início dos 80, com uma notória influência em termos de temáticas, exuberância visual envolvendo a última moda e glamorização estética encabeçada por grupos em crescente visibilidade, como A Flock of Seagulls, Duran Duran, Human League e Soft Cell.

Apesar de breve e passar rápida como um trovão, como de praxe na maioria dos movimentos musicais, sua vida útil é constantemente lembrada até hoje e serviu como influência pra causar impacto em figuras já carimbadas como Billy Corgan, do Smashing Pumpkins ou, pra ilustrar com exemplos mais recentes, Franz Ferdinand e Muse.

Após três discos, o vocalista e um dos principais compositores, John Foxx, decide deixar o grupo, dando lugar à Midge Ure, e inicia-se aí um novo direcionamento pro Ultravox.

Marcando presença desde sua capa, Vienna traz consigo uma profunda ênfase em sintetizadores que dominam e se fazem presente em todo o disco, você claramente consegue identificar traços – por mais sutis que sejam – de Bryan Ferry e seu Roxy Music, passando por David Bowie no período Berlim, ainda que concomitantemente tenha um pé no pós punk, não se desligando totalmente dele.

Musicalmente falando, Vienna pega a identidade da banda e eleva a outro nível, com canções lentas, sem pressa pra chegarem aonde desejam, soando uma aposta arriscada ao se distanciar de andamentos mais tradicionais, todo o álbum transpira pop, mas tem algo de peculiar em torno de si, com alguns elementos que servem como diferencial quando usados na hora certa, na inclusão de um violino ou belos toques de piano.

A experiência tem inicio com uma longa faixa instrumental de abertura, colocando na imersão que aguarda o ouvinte pelos próximos 45 minutos que, embora extensa, não soa gratuita ou desnecessária.
Em seguida vem o ponto alto e o momento mais lembrado, New Europeans mostra que nem só de sintetizador seguiria o disco, abrindo com um riff de guitarra potente, momento onde o instrumento se torna mais visível.
Mr. X também soa como um bom resumo de como explicar o que é o Ultravox para alguém que desconheça sua existência, lembrando a trilha sonora de um filme de filme de ficcção científica, meio nostálgica, atmosférica e, ao mesmo tempo, futurista.

Vienna é um típico exemplo de uma banda que soube superar seus percalços, desde problemas com gravador as até a saída do membro mais importante, e consegue se reerguer com louvor e entrando de vez na década de 80, ditando regras e servindo como referência.

Autor: Régis Moura

30 anos, piauiense, ávido ouvinte de música desde que se considera por gente, com interesses que permeiam desde rock nacional, passando pelo bom e velho hard rock, até o heavy metal.

Deixe um comentário