25 anos de “Jagged Little Pill” – Um dos discos femininos mais fortes já lançados

Há 25 anos atrás, a maravilhosa cantora Alanis Morissette, lançava um clássico indiscutível dos anos 90, que se tornaria um dos maiores registros fonográficos femininos da história da música Pop: o excelente “Jagged Little Pill” (1995).

Juntamente com o grande produtor e compositor Glen Ballard, Alanis reuniu uma série de composições fabulosas, pegou influências do melhor que reinava na música popular da época, e gravou um disco espetacular que une elementos do Grunge, Rock Alternativo e Pop, criando um álbum musicalmente e liricamente perfeito e coeso.

Quando se olha a tracklist da obra, a sensação que temos é de estarmos diante de uma coletânea “Greatest Hits”, tamanho é a quantidade de hits avassaladores que marcaram os anos 90 de forma inesquecível. O disco incia de forma poderosa com “All I Really Want”, onde chega a ser incrivelmente instigante como Alanis destrincha de maneira inteligente os anseios femininos, cantando com uma voz claustrofóbica e estridente de uma maneira profundamente intensa, enquanto que “You Ought Know” já é um destes grandes exemplos de hits marcantes, num Indie Rock com uma incrível pegada Funky (também não é pra menos, afinal, a faixa conta com o baixo monstruoso do já lendário Flea), além de uma performance vocal fantástica de Alanis. “Right Through You” é um dos momentos mais emocionantes (e um dos meus preferidos também), um Rockão intenso, dotado de guitarras espetaculares e um refrão poderosíssimo, a voz de Alanis aqui te envolve de uma maneira que chega a ser arrepiante. Na sequência, a sensação que se dá, é de estarmos sendo atropelados por um caminhão quase infindável de grandes hits e pérolas do Pop noventista como “You Learn”, “Hand in My Pocket”, “Head over Feet” e “Ironic” (essa também possui um dos refrãos mais icônicos da década hein, fala sério!)

Não é exagero nenhum afirmar que “Jagged Little Pill” é um dos discos mais emblemáticos já lançados por uma mulher em toda a história da música Pop mundial (com certeza em um top 10 tem que estar). Um álbum cheio de atitude, energia, mas também repleto de candura e beleza, o que certamente pode explicar o gigantesco sucesso do trabalho, que hoje já bate o número de mais de 35 milhões de cópias vendidas mundialmente, além dos mais variados prêmios obtidos. Musicalmente, o disco também privilegia muito os timbres e arranjos do Pop Rock característico feito na época e se encaixam de forma muito satisfatória no contexto Grunge/Pop/Rock em que a música americana se enquadrava naqueles tempos, e as letras altamente confessionais com ganchos líricos certeiros resultaram na fórmula perfeita e equilibrada que deram merecidamente a “Jagged Little Pill” o status de clássico moderno, que além disso, ainda influenciou inúmeras mulheres compositoras que surgiram na geração posterior como as Avril Lavignes e Taylor Swifts da vida. “Jagged Little Pill” é sem dúvidas um dos álbuns mais honestos e rasgantes que a indústria já presenciou, e nestes 25 anos de lançamento, permanece tão forte quanto no momento em que foi lançado.

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

2 pensamentos

  1. Não curto muito o trabalho da Alanis, acho uma das maiores breguices (no bom sentido) paridas nos anos no venda. Pena que o sucesso da jovem cantora não durou muito devido ao seu sumiço na mídia anos depois…

Deixe um comentário