55 anos de “Mr Tambourine man” – A revolução musical do The Byrds

Em meio à uma explosão de estilos musicais sendo criados ou modelados, em 1965 surge com seu disco de estreia os norte-americanos do The Byrds. Claramente inspirados pela cena folk da época, tendo Bob Dylan como o nome que se mais destacava, o The Byrds é sempre lembrado por ter tido importância vital na difusão do que hoje entendemos como folk rock, mas seus méritos são imensos e não se limitam somente a isso.

Na onda da invasão britânica e tendo como principal referência Os Beatles, a troca de referência era recíproca e mútua, os Beatles naturalmente passaram a tomar conhecimento do crescimento do grupo e no próprio ano de 1965, com “Rubber soul”, George Harrison escreve os primeiros trechos de “If I needed someone”, inspirado pelo riff “The Bells of Rhymney”.

Mas como dito anteriormente, não era só o folk que a banda parecia dominar, flertando também com o country rock, trocando influências diretas e influenciando na sonoridade dos Stones e Beatles ou sendo influências claras pra gigantes como The Allman Brothers, The Eagles, Lynyrd Skynyrd e, posteriormente, Tom petty e RE.M.

Já abrindo com a lendária faixa título, escrita por Dylan no mesmo prolífero ano de 1965, “Bringin’ it all back home” mostra que a força que viria a seguir. Reconhecido pelo timbre de sua guitarra, Roger McGuinn sempre teve grande admiração por Dylan, e sua obra exercia grande influência no som do Byrds, ao ponto de inserir mais faixas de autoria de Dylan no disco de estreia, como “Spanish Harlem Incident”, “Chimes for Freedom” e “All I really want to do”.
Um disco revolucionário e obrigatório.

Autor: Régis Moura

30 anos, piauiense, ávido ouvinte de música desde que se considera por gente, com interesses que permeiam desde rock nacional, passando pelo bom e velho hard rock, até o heavy metal.

Deixe um comentário