20 anos de “Riding With The King” – A linda união de dois grandes mestres do Blues

Há exatos 20 anos atrás, dois seres gigantescos do Blues uniam forças para gravar um disco, no intuito de oferecer o melhor que cada um aprendeu com a linguagem do gênero durante os longos anos de estrada e estudo no ofício do Blues. Eis que me refiro a maravilhosa parceria entre B.B. King & Eric Clapton no excelente álbum “Riding With The King” (2000).

“Riding With The King” é com certeza um projeto dos sonhos de um astro do Rock como Eric Clapton e uma verdadeira carta de amor e homenagem para uma de suas maiores inspirações e segundo ele próprio diz, “o artista mais importante história do Blues” B.B. King. Porém, muito mais do que uma relação de mestre e aluno, B.B. e Eric já cultivavam uma bela amizade de mais de 30 anos, que finalmente se concretizou na realização desse grande disco entre esses dois grandes heróis da guitarra.

Embora não seja exatamente um disco de Blues tão tradicional, aqui você encontra todos os elementos imprescindíveis do gênero produzidos com muito feeling e inspiração. A própria faixa título já abre os trabalhos com um Blues meio Country, que como o próprio título sugere, já te convida a pegar o carro numa estrada e literalmente viajar na sonoridade extremamente agradável da faixa, que também já demonstra de cara a linda química tanto vocal quanto guitarristica que rola entre os dois, que se permeia durante todo o disco, aliás. Já “Marry You”, apresenta um Soul extremamente funkeado e um Groove irresistível e conta com um dos solos mais inspirados de Clapton no disco, enquanto que “I Wanna Be” e “Hold on I’m Coming” sãos os momento mais roqueiros do LP, e contam com as guitarras mais agressivas de Clapton com um lindo contraste da Lucille aveludada de B.B. que encanta com o seu dom natural e sabedoria espontânea de sempre saber colocar cada singela nota no devido lugar.

Logicamente que não poderia deixar de haver espaço para fantásticos Slow Blues daqueles capazes de fazer qualquer amante do estilo chorar e se arrepiar com performances maravilhosas, como podemos muito bem constatar em “Ten Long Years”, “Help The Poor”, “When My Heart Beats Like a Hammer” e principalmente na simplesmente incrível “Three O’Clock Blues”, uma viagem épica Bluseira de quase 9 minutos que conta com as interpretações tanto vocais como de guitarras mais emocionantes do disco. O que B.B. King e Eric Clapton exalam de sentimento nessa faixa não é brincadeira, coisa linda demais! Agora, pra quem também é apreciador do estilo mais acústico do Blues do Delta Mississippi, também pode se encantar com duas pérolas como “Key To The Highway” e “Worried Life Blues”, que te fazem ser transferidos para os campos de algodão onde os negros cantavam para poder aliviar o árduo e dolorido trabalho pesado. O disco chega ao seu fim de forma brilhante e emocionante com a levada mais Gospel/Blues na linda “Come Rain Or Come Shine” (eternizada por Ray Charles) que conta com um arranjo orquestral de muito bom gosto.

“Riding With The King” é um disco de Blues perfeito, o que não poderia deixar de ser, afinal, é a união de dois grandes mestres devotos do gênero, que juntos, deixaram transparecer toda a sua paixão e o quanto cada um são especialistas na área. É o tipo de álbum que muito dificilmente qualquer apaixonado por Blues não irá gostar. A química da dupla é sensacional com suas vozes e guitarras casando perfeitamente, embora a diferença de timbres e estilo de tocar sejam muito claros durante toda a audição, sem contar no repertório que é incrível e muito bem selecionado. Nestes 20 anos de lançamento, fomos agraciados com a bela notícia de que sairá uma edição comemorativa do álbum que contará com duas faixas inéditas gravadas durante a sessões. Não poderia haver presente melhor para qualquer fã de Blues nesta data tão especial.

Anúncios

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Deixe um comentário