O Caminho Sombrio que Mudou o Death Metal – 30 Anos de “Left Hand Path”

No início dos anos 90, o Death Metal estava em plena ascensão. Enquanto a cena da Flórida, de bandas como Death, Autopsy, Morbid Angel e Obituary, dominava a linha de frente do estilo, o mundo viu surgir, direto das terras metálicas da Suécia, o Entombed. Fazendo um som mais pesado, rápido e violento, sua estreia “Left Hand Path” ditou o padrão do som extremo que viria a seguir. Hoje, esse clássico absoluto completa 30 anos!

A alquimia sonora que a banda faz aqui é, basicamente, o melhor de dois mundos. Pegando as composições elaboradas e intrincadas do Death Metal, e adicionando o peso e selvageria do Grindcore de bandas como o Napalm Death, a combinação é explosiva. Um ingrediente especial é o responsável pelo som único da banda: a invenção da guitarra “serra elétrica”, distorcida, suja e impiedosamente pesada, que dá ainda mais força ao ataque duplo de Uffe Cederlund e Alex Hellid, definindo muito do que se tornaria O SOM do Death Metal Sueco.

Já somos recebidos com gritos na espetacular faixa-título, que logo desemboca para uma PORRADA, de riffs abissais, solos à la Slayer e passagens atmosféricas. Mas, a partir daí, não há espaço para respirar. Lars Göran Petrov entrega o gutural mais assustador já ouvido até então em faixas como “Drowned”, “When Life Has Ceased” e “Supposed To Rot”, rugurgitando esses contos de pura morbidez. E, apesar de sempre direto ao ponto, as músicas são bastante complexas, com estruturas labirínticas e mudanças de andamento constantes (num trabalho extremamente criativo do baterista Nicke Andersson), que só vão cessar no ronco final de “The Truth Beyond”.

Ao fim desse ataque relâmpago, é impossível não concluir que estamos diante de uma divisor de águas no estilo. Depois dele, todas as bandas resolveram pisar no acelerador e correr atrás desse peso extremo. E, apesar do Entombed ainda ter lançado vários discos sensacionais, “Left Hand Path” ainda é sua obra-prima!

Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário