A Perfeição Pop de Bryan Ferry – 35 Anos de “Boys And Girls”

Além de sua óbvia genialidade como frontman e principal cabeça pensante do Roxy Music, Bryan Ferry produziu ao longo dos anos uma carreira solo simplesmente sensacional, e por vezes esquecida.

Em seu primeiro disco desde o fim do grupo, em 1983, Ferry resolve seguir o caminho da pura sofisticação, convocando alguns nomes de PESO. Quando eu digo peso, me refiro a David Gilmour, Mark Knopfler, Nile Rodgers, além de lendários músicos de estúdio onipresentes em qualquer pérola oitentista, como o baterista Omar Hakim e o baixista Marcus Miller. Dessa mistura, saiu o que é o seu maior sucesso, o espetacular “Boys and Girls”, que completa hoje 35 anos!

“Sensation” já nos dá as boas-vindas com a guitarra funkeada inconfundível de Nile Rodgers sobre as camadas sintéticas de Guy Fletcher, na mais pura finesse oitentista. E se o papo é sofisticação, o mega hit “Slave To Love” é um exemplar do mais alto quilate. Com um suingue que chega a lembrar um pouco o Samba, é uma balada irresistível.

Com um time de guitarristas tão genial, é inevitável sentir a digital sonora de cada um entre as canções. A mão divina e sutil de Gilmour marca presença com seus solos fantásticos em faixas como “Windswept”, enquanto Mark Knopfler entrega seu estilo inconfundível na cadenciada “Valentine”. Não há tanta variação de climas por aqui, enquanto um som luxuoso, aconchegante toma conta do ambiente até a última nota da faixa título, e sua linha de saxofone mais sensual do que nunca

Ouvir “Boys and Girls” relaxado, com o fone, pode ser uma experiência sonora das mais incríveis. A epítome da perfeição Pop, o disco foi um imenso sucesso, e só reforçou que Bryan Ferry é mais do que “apenas” o líder do Roxy Music!

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário