Vocês estão prontos e com vontade? Pois nós estamos! 40 anos de Ready An’ Willing

Pode até ser que eu esteja exagerando, mas, há exatos 40 anos, era lançado um dos meus discos preferidos da vida, o fabuloso READY AN’ WILLING, do Whitesnake. Essa é uma banda que divide opiniões; eu diria que essa divisão é causada pelo grande sucesso comercial que a banda tingiu a partir da segunda metade da década de 80.

Muitos podem achar que a banda ficou mais ”redondinha” ou ”pasteurizada”, bem produzida até demais e tenha perdido a veia Blues Rock do início da carreira. No entanto, há aqueles que, precipitadamente, associam a banda apenas a esta fase comercial que não resume o que é o Whitesnake. E eu estou aqui para reparar este equívoco.

Comecemos pela formação da banda, Digam-me: qual a probabilidade de um disco que conta com David Coverdale, Ian Paice, Jon Lord, Neil Murray e a dupla simbiótica de guitarristas Bernie Marsden e Micky Moody dar errado? Praticamente zero, né?… Então, é exatamente isso.

Eu vos aconselho a escutar todos os discos da banda compreendidos entre 1977 e 1982, sobretudo o aniversariante de hoje, que é a junção perfeita do Hard Rock com o Blues Rock; e, é claro, não poderia faltar uma balada num disco que tem Coverdale nos vocais. Perdoem-me a falta de eufemismo, mas ”Blindman” é uma balada ”pornográfica”, duvido que não arrepie todos os extremos do seu corpo. A voz de David, a linha altamente melódica dada pelas guitarras e o hipnotizante teclado de Lord dão um tom delicado, que cresce com o decorrer dos seus 5 minutos e, aos poucos, a suavidade abre espaço para a explosão e a música ganha uma energia cativante.

W2

”Fool For Your Loving”, primeiro hit da banda a atingir uma destacada posição nas paradas de sucesso, abre o disco com o pé na porta, deixando claro que este não seria um disco comum. ”Sweet Talker” segue a mesma linha. A veia blueseira da banda é notada em canções como a própria faix-título, ”Ain’t Gonna Cry No More” e ”Love Man”, esta última poderia entrar tranquilamente em um disco de Eric Clapton e afins.

Todas as nove faixas de Ready An’ Willing são imperdíveis; um Whitesnake diferente do que a maioria está habituada. Para um disco perfeito como este, o produtor não poderia ser ninguém melhor do que Martin Birch, responsável pela produção de bandas como Black Sabbath, Deep Purple, Iron Maiden, Rainbow entre outras. Se você é um dos que não dá muita atenção à banda, sugiro que pare tudo o que está fazendo e ouça esse disco. Se já o tiver escutado, escute de novo, pois ele contem todos os elementos que fazem um disco de Rock ser chamado de DISCAÇO.

A text by @lukaspiloto7twister

Anúncios

Autor: Luc Rhoads

Um grande apaixonado por música e aventuras. Carioca, estudante de Educação Física, professor de inglês e vascaíno doente.

2 pensamentos

  1. Se já o tiver escutado, escute de novo, pois ele contem todos os elementos que fazem um disco de Rock ser ‘chamado de DISCAÇO.” Vc sabe o quanto gosto dessa banda, né Lucas. Já coloquei esse CD na minha lista futura de compras futuras. Abração.

    1. Fala,.meu irmão. Acho um discaço também, é o disco deles que mais gosto e onde a banda estava mais inspirada. Esse disco tem de tudo: Hard Rock, Blues, baladas etc. Vale muito a pena tê-lo em mãos, sim. Abração

Deixe um comentário