Top 5 “Joy Division” – 40 anos em que a obra de Ian Curtis foi eternizada!

Ian Curtis

Dando continuidade ao quadro “Top 05”, hoje iremos prestar uma pequena mas sincera homenagem ao grande Ian Curtis, uma das figuras mais icônicas e influentes da história do Rock inglês, que nesta semana, infelizmente completou 40 anos de sua partida deste plano terreno. Para isso, reunimos uma seleção de 5 das canções mais marcantes da curta porém inesquecível carreira desta grande lenda!

“Passover”

05. “Passover” – Incrível faixa lançada no disco “Closer” (1980). Aqui já se faz presente com perfeição, todo o clima hipnótico, misterioso e meio sombrio, típico da sonoridade da banda. Bateria alta e economicamente precisa, guitarra suja e ir viajante, baixo intenso e a voz profunda e barítona de Curtis, que dava a impressão dele ser uma pessoa bem mais velha do que realmente era. Aqui, Ian clama: “Esta é a crise que eu sabia que viria, destruindo o equilíbrio que eu mantinha. Sem a guarda e proteção da infância, tudo se despedaça ao primeiro toque. Posso seguir adiante com essa série de eventos?”. Simplesmente incrível!

“Disorder”

04. “Disorder” – O Joy Division chegou quebrando tudo na música de abertura de seu disco de estreia, o mega clássico “Unknown Pleasures” (1979). A faixa começa apresentando cada integrante ao poucos. Um ritmo seguido de uma grande virada na batera, o baixo galopante e a guitarra soltando riffs incríveis. Mas o ápice é a voz de Ian, incorporando um nível de emoção poucas vezes visto na história da música. Essa é uma das faixas que com certeza qualquer um pode afirmar como sendo uma verdadeira síntese do Pós Punk. Um verdadeiro chute na porta!

“She’s Lost Control”

03. “She’s Lost Control” – Uma das músicas mais intensas da banda, traz um clima meio gótico e claustrofóbico que chega a ser angustiante em certos momentos. A letra é um relato muito pessoal que narra a história de um cara que vê uma garota sofrendo um ataque epilético e se sente incapaz do que fazer diante da situação, e é impressionante como a letra te faz visualizar a cena com muita exatidão em sua mente. É sabido que seja provavelmente inspirado no episódio ocorrido com Corinne Lewis, uma cliente de Ian de quando ele trabalhava numa agência de empregos, que sofreu um ataque durante uma conversa entre os dois. Algum tempo depois, Ian soube que ela havia falecido em decorrência da doença e descobriu que ele próprio sofria de epilepsia também. O título da canção serviu de base para o título da cinebiografia sobre Curtis, o ótimo filme “Control”, lançado em 2007.

“New Dawn Fades”

02. “New Dawn Fades” – A seguir, temos mais uma das faixas mais barra pesadas do grupo. A música possui uma levada rítmica e uma melodia meio desorientadas, mas que juntas casam perfeitamente, contribuindo para a vibe hipnótica e perturbadora aqui presente. O baixo e a guitarra estão incríveis e dão um peso visceral a faixa, que também conta com uma das melhores performances vocais de Ian na minha opinião. Você realmente sente a dor do cara aqui. Músicão espetacular!

“Love Will Tear Us Apart”

01. “Love Will Tear Us Apart” – E para terminar, não poderia ser diferente, a não ser com o maior clássico do repertório da banda. Talvez o grande segredo desta faixa em particular, seja o fato de que tenha sido a primeira vez em que os sintetizadores mais modernos da época, tenham sido inseridos de forma tão eficiente dentro de uma canção de Rock, o que a tornou também, obviamente, uma das músicas precursoras da New Wave e do Rock eletrônico dos anos 80, além de ser também a obra do Joy Division que mais parece se sintonizar ao Pop/Rock atual, o que explica a grande aclamação que recebe por parte de muitos jovens de hoje. A triste letra, embora fale da constatação de uma relação que está chegando ao fim, também não deixa de ser uma declaração de amor. Um maravilhoso e gigante clássico muito merecedor do nosso primeiro lugar!

Agora vamos para a parte realmente importante e crucial deste post: A sua opinião! Qual é a melhor música do Joy Division? Compartilhe conosco!

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Nenhum pensamento

  1. É uma boa ordem, gosto de todas as citadas, alteraria pouca coisa.
    Abraços sou do Maranhão, conheci o site através do alta fidelidade.

Deixe um comentário