Tattooed Millionaire: 30 anos da estréia solo de Bruce Dickinson

Há 30 anos, Bruce Dickinson estreava sua carreira solo com o disco “Tattooed Millionaire”, um Hard Rock de primeiríssima que proporciona uma audição maravilhosa de se fazer. Tudo começou quando Bruce recebeu uma proposta de gravar uma música para o filme A Nightmare on Elm Street: The Dream Child, que acabou se tornando “Bring Your Daughter… to The Slaughter”, música cuja versão entrou no disco No Prayer For The Dying, do Iron Maiden, em 1990 atendendo ao pedido de Steve Harris.

Para a música, Bruce se aliou com Janick Gers, atualmente já estabelecido como guitarrista do Iron desde 1999, e o sucesso acabou motivando a criação de disco inteiro. A pegada é bastante N.W.O.B.H.M., groovada e cadenciada, os vocais são bem melódicos, fora um feel blueseiro mais lento delicioso que o disco também tem, lembrando bandas como AC/DC e Whitesnake em muitos pontos. Bruce estava em grande alta, e além das contribuições compondo canta absurdos ao longo dos 43 minutos do disco.

Existem também elementos que não são o disco que você esperaria de Bruce, algumas com maior sucesso como Gypsy Road, e outras que não pegam bem, como Dive! Dive! Dive!, que soa como uma tentativa fracassada de fazer uma música do Def Leppard. O disco tem também uma versão muito boa do hino All The Young Dudes, escrita por David Bowie para o Mott The Hoople. Bruce se surpreendeu como o quão natural a música soava em sua voz e resolveu colocá-la no disco, uma versão que acabou ficando bem popularizada para uma das minhas músicas favoritas do camaleão. De fato, nada de incrível, nada que vá mudar o mundo, mas um disco muito bom e que proporciona uma sensacional audição para quem gosta de um Hard Rock bem feito e, claro, para os fãs do Bruce!!!

Anúncios

Autor: allanfranzner

Guitarrista, amante e entusiasta da música, principalmente do rock n' roll!

Deixe um comentário