Descubra o Incrível Mundo de Al Kooper!

Como o propósito desse quadro é trazer artistas mais obscuros, resolvi falar de um cara que está presente em alguns dos maiores momentos da história do Rock, mas não recebe o crédito merecido. O homem responsável pelo órgão de Like A Rolling Stone, que já trabalhou com artistas do calibre de Rolling Stones, B.B King e Lynyrd Skynyrd, o inimitável Al Kooper!

Seu trabalho nos anos 60/70 é extenso. Seja como membro-fundador do The Blues Project, da instituição musical Blood, Sweat & Tears ou em seus numerosos discos solo e participações especiais. Aos iniciantes em sua obra, nada melhor do que uma coletânea DE RESPEITO. Com esse intuito, trago-lhes “Al’s Big Deal”!

O que temos aqui é um apanhadão da carreira de Kooper até 1975, e que é um baita resumo de seu som. Os takes do Blood, Sweat & Tears (banda que formou, mas só participou do primeiro disco) são a pegada soul de “I Can’t Quit Her” e o Blues espetacular de “I Love You More Than You’ll Ever Know”, com seus arranjos de metais maravilhosos. O material das “Super Sessions” organizadas por Kooper, com nomes fraquinhos como Stephen Stills, Mike Bloomfield e o prodígio da guitarra Shuggie Otis (que ainda merece ser revisitado por aqui), como “Albert’s Shuffle” (impossível não se arrepiar com os solos de Bloomfield) e a jam espetacular de “Bury My Body” não é menos que sensacional. Sempre há espaço pra Dylan, e aqui temos o Blues de beira de estrada “If Dogs Run Free”, retirada do álbum New Morning (1970), no qual Kooper assume as teclas.

Mas é em suas pérolas solo que ele se revela um exímio compositor. Baladas como “New York City (You’re a Woman)” e “Jolie” , com arranjos luxuosos, seriam facilmente cantadas por um Marvin Gaye ou Donny Hathaway, e canções como “Brand New Day” e “Sam Stone” (composição do recém-falecido John Prine)s ó atiçam a curiosidade para conhecer seu maravilhoso trabalho solo. Espero que o façam, e descubram o incrível mundo de Al Kooper!

Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário