45 anos de “Toys In The Attic” – O Aerosmith se aproximando de seu auge

Há 45 anos atrás, uma das maiores bandas americanas da história do Rock, lançava ao mundo o que é considerado por muitos a sua obra prima: O espetacular “Toys In The Attic” (1975), terceiro disco de estúdio da bandaça Aerosmith.

O grupo vinha de dois grandes álbuns “Aerosmith” (1973) e “Get Your Wings” (1974), mas que infelizmente, se tornaram lançamentos que não impressionaram tanto na época. Por isso, contando com o auxílio luxuoso do produtor Jack Douglas, a banda entrou em estúdio para produzir aquele que seria o seu teste do agora-ou-nunca.

Para a alegria de nós, fãs de Hard Rock Clássico, o Aerosmith reuniu uma seleção de músicas extraordinárias que misturavam peso, groove e melodia com perfeita maestria. A faixa título “Toys In The Attic” é um Rockão insano, e já abre os trabalhos com os dois pés na porta com um riff de guitarra aniquilador da incrível dupla Joe Perry e Brad Whitford, vocais a base de grunhidos de Steven Tyler, e o baixo e a batera pesada e frenética de Tom Hamilton e Joey Kramer. “Uncle Salty” desacelera o ritmo trazendo um maravilhoso clima meio Country Rock com um trabalho de guitarras exemplar. Outros principais destaques são “Adam’s Apple”, que traz um dos riffs mais bacanas do disco, unindo peso e melodia na medida certa, enquanto que “Round And Round” é uma das faixas mais pesadas de toda a carreira da banda, e traz um solo de guitarra estupendo de Brad. Mas o grande trunfo mesmo são as sensacionais “Walk This Way” e “Sweet Emotion”, com seus deliciosos ritmos de sabor Funk, são duas faixas fantásticas que contam com linhas de baixo animais, guitarras funkeadas incríveis e um balanço groovado irresistível, tornando-as obras de referência no Funk/Rock. A linda balada “You See Me Crying” encerra o LP de forma perfeita, com uma performance vocal emocionante de Tyler.

“Toys In The Attic” é sem dúvidas, uma das obras mais brilhantes do Hard Rock 70s, e mostra uma banda incrivelmente cada vez mais entrosada, com sua dupla de guitarristas super a vontade, despejando riffs e solos cada vez mais inspirados, seu frontman exibindo dotes vocais incríveis e uma cozinha rítmica trabalhando de forma fantástica. Se o Led Zeppelin e o Black Sabbath abriram o caminho para o Heavy Rock setentista, com “Toys In The Attic”, o Aerosmith com certeza se colocou entre as principais bandas americanas do gênero, e estabeleceram ainda mais isso até o fim da década.

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Nenhum pensamento

  1. O disco que eu mais gosto da fase setentista do Aerosmith é mesmo o Toys in the Attic, tal como Pump é o meu predileto da fase oitentista deles. Já da década de 1990 pra frente, é melhor deixar pra lá…

Deixe um comentário