THE FACES: First Step – As velhas faces de caras novas

Há 50 anos, surgiu uma nova banda na cena dos anos 70. Ela veio do fim de duas ótimas bandas. Já começamos com o deve de casa cedo. A primeira banda foi a Small Faces que contava com: Steve Marriott, Ronnie Lane, Kenney Jones e Jimmy Winston e Ian McLagan. Pode parar de ler e ir ouvir um pouco. Não quer ir? Ok! Depois não reclama. A segunda banda  fez surgir a nossa querida de The Face, foi a The Jeff Beck Group. Vocês sabem qual o guitarrista famoso que tocava lá que saiu para formar o The Faces? Errou se falou Jeff Beck. Estou falando de Ron Wood que junto com o vocalista Rod Stewart, se uniram ao restante do Small Face que não contava mais com Steve Morriott. Então Ronnie Lane, Kenney Jones e Ian Mclagan começaram a formar uma nova “Face”.

Há exatos 50 anos, nascia o The Face com as mesmas caras conhecidas e uma sonoridade diferente das outras bandas que os membros faziam parte. A voz de Rod Stewart levou a coisa com uma puta pegada soul (@Felipe), aquela voz rouca e quase falhada, curta e direta como um coice de porco. Definida dessa forma por um amigo, fã da banda. A sonoridade também contava com Ronnie Lane, chamado carinhosamente de “três cabeça”, não sou obrigado a explicar isso. Sim! Exatamente! Três Cabeças! O baixista que ajudava nos vocais e nas letras, era um colíder da banda. Ele era amigo de Kenney Jones desde a época de escola. O nome de Kenney Jones você ouviu e viu tocar no The Who, fez um bom trabalho como baterista. O teclado ficou por conta de Ian Mclagan que da a sonoridade perfeita para banda e faz um casamento direto com a voz de Rod Stewart. O velho Rod não tinha só essa parceria sonora, ele também contava com seu amigo e compositor de algumas letras, Ronnie Wood. Eu considero um dos melhores guitarra base do Rock. Claro, você o viu nos “Stones”.

O resultado disso tudo foi uma ótima estreia tocando faixa a faixa com um estilo marcante. O álbum First Step começa no melhor estilo. Talvez, sem erro. Um cover de Dylan que resumiria toda essa apresentação boba que fiz. A banda começa funcionando com tudo. O barulho nem sempre representa energia. A resposta disso está nos solos de guitarras se cruzando com o som do órgão de Hammond e a bateria respondendo a voz de Rod. A primeira faixa te convida para uma bela obra. Depois disso a coisa só melhora de um ponto ao outro. A sonoridade de um blues meio folk em Around The Plynth. As minhas favoritas são “Flying”,” Nobody Knows” e “Threee Button Hand Me Down” que encerra em alto nível. Eu não vejo forma melhor de começar uma nova banda. Com um disco perfeito no meu ver, sem nada de extraordianario. Mas a medida está perfeita. Eu te desafio a reclamar desse disco.

Meus caros, O primeiro passo de The Faces é uma continuação maravilhosa de duas bandas que fizeram surgir muitas mais coisas na música entre elas o Humble Pie, dizem as conversar perdidas do rock que foi uma espécie de Led Zeppelin sem o seu devido conhecimento. Bom esse já é um outro papo. A conversar hoje foi sobre The Face e seu primeiro álbum “First Step” que nos Estados Unidos foi creditado erradamente como um disco do The Small Faces. Nessa troca de Faces, fico com o The Face hoje. Fuiii!!

Autor: lusquinhos87

Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer. Pra poder me livrar do prático efeito. Das tuas frases feitas, das tuas noites perfeitas

Deixe um comentário