O Mundo Onírico nos 25 anos de “Imaginations From The Other Side”

Me lembro exatamente da primeira vez que ouvi o Blind Guardian. É claro, já tinha escutado uma coisa ou outra por tabela, mas resolvi começar pelo celebradíssimo “Imaginations From The Other Side”. No auge da inocência e de uma paixão latente pelo Metal, aquela história de um garoto que é transportado para um mundo de fantasia, acompanhada de uma sonoridade arrebatadora, me soava autobiográfica. Estava diante de uma pedra fundamental do Power Metal, que hoje completa 25 anos!

Os anos 90 vinham sendo uma década de ouro para o Blind Guardian. Tales From The Twilight World (1990) e Somewhere Far Beyond (1992) mostravam um processo de amadurecimento da banda, fugindo um pouco do som quase Speed Metal dos primórdios para incorporar arranjos grandiosos e canções épicas, com o tempero onipresente da mitologia Tolkieniana (exemplificado pela maravilhosa balada “Lord Of The Rings). Para produzir “Imaginations From The Other Side”, eles convocam Flemming Rasmussen (Metallica, Rainbow…), que consegue extrair um som perfeito para as propostas ambiciosas da obra.

O clima é consideravelmente mais sombrio do que nos álbuns anteriores, o que já nos salta aos ouvidos na poderosísima faixa-título, que, com um ritmo cadenciado e melodias que parecem vir diretamente de uma catedral gótica, nos introduzem a um mundo fantástico. A porradaria vem com força em”I’m Alive”, que, juntamente com “The Script For My Requiem”, “Born In A Mourning Hall” e “Another Holy War”, apresentam os elementos que diferenciam o Blind Guardian de boa parte do Power Metal: Um som rápido e agressivo, guiado pelos vocais rasgados de Hansi Kürsch (que aqui assume também, pela última vez, as quatro cordas), com riffs e solos MATADORES da dupla André Olbrich/Marcus Siepen, mas com diversas nuances progressivas, dando a epicidade necessária para esses contos de cruzadas, reis e espadas.

O espaço para respirar, entre tantas pérolas metálicas, está nas maravilhosas baladas. No single do disco “A Past And Future Secret”, os arranjos luxuosos e medievais mostram seu poder, enquanto “Mordred’s Song” alterna entre belíssimas partes acústicas e coros épicos, num daqueles refrães pra se cantar a plenos pulmões, evocando as lendas Arturianas. Tudo culmina no que é, sem dúvidas, um dos encerramentos de álbum mais grandiosos que já ouvi: “And The Story Ends”. Com intrincadas passagens instrumentais, e mais um refrão TROVEJANTE, dá o ponto final a essa fantástica história. Ao final, assim como o protagonista, voltamos ao mundo real, após um mergulho nesse universo onírico.

“Imaginations From The Other Side” é um marco absoluto na carreira do Blind Guardian, consolidando sua sonoridade única, e, consequentemente, mudando a cara do Power Metal. A banda ainda nos entregaria algumas obras-primas (vide a odisseia pela terra média de Nightfall In Middle-Earth), mas essa viagem fantástica segue como a melhor porta de entrada para os iniciantes nessa instituição alemã!

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s