Um Mar Infinito de Sons – 55 Anos de “Maiden Voyage”

Dos inúmeros “discípulos de Miles”, Herbie Hancock talvez seja o mais prolífico. Enquanto absorvia os experimentos modais do Maestro, integrando seu Segundo Quinteto Clássico, o pianista também desenvolveu uma monumental carreira solo. Há exatos 55 anos, ele lançava o que é uma de suas grandes obras-primas, o espetacular “Maiden Voyage”!

Muito bem acompanhado por um time que engloba a cozinha do quinteto de Miles (Williams/Carter), o Sax Tenor de George Coleman e o espetacular trompetista Freddie Hubbard, Hancock entrega aqui uma espécie de disco conceitual, onde todos os temas trazem climas oceânicos, num velejar que nos leva a lugares sublimes.

O início já vem com o standard “Maiden Voyage”, um petardo modal, de ritmos sincopados, espaçados, que se torna ainda mais viajante com os magistrais solos de Hancock, Hubbard e Coleman. Já “The Eye Of The Hurricane”, com seu swing acelerado, explora marés mais agitadas, e não menos deslumbrantes.

“Little One” é o momento de maior lirismo do álbum, de uma sutileza espetacular (que trabalho da bateria de Tony Williams!), repousando sobre os acordes reconfortantes de Hancock. Essa calmaria é logo interrompida pela explosiva “Survival Of The Fittest”, que em seus mais de 10 minutos explora o que de melhor cada músico tem a oferecer (o que não é pouco), com destaque para as frases de Hubbard e Coleman, que causam impávidos redemoinhos em minha mente.

Como num passeio diurno pela orla da praia, “Dolphin Dance” alivia qualquer tensão. Num swing gentil, expansivo, que expõe a grande virtude dessa grande obra: a acessibilidade, que, mesmo em meio a aventuras harmõnicas, segue delicioso aos ouvidos de qualquer entusiasta da boa música. Veleje nesse mar de incíveis melodias que é “Maiden Voyage”!

Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário