40 anos de “Glass Houses” – Quem não conhece que atire a primeira pedra

Há exatos 40 anos, Billy Joel lançava seu álbum “Glass Houses”. Dono de uma sonoridade maravilhosamente Pop , o sétimo álbum de BJ te leva a locais que ele adora frenquentar. Canções e sonoridade para você aliviar o seu dia. Quem não conhece muito o cantor vai sentir uma semelhança nos seus primeiros discos com o som do “Elton John”. Porém, existe uma assinatura da originalidade no som. Se a alegria de Billy te remeter ao nosso amado Guilherme Arantes, não se espante. Você está cercado de boas referências para conhecer o velho Billy Joel. Um detalhe, existe algo de rock na alma dele, acompanhado de uma leve sujeira no som (igual o seu allstar sujo).

Glass House foi o primeiro álbum do cantor a entrar nas paradas de sucesso americana. Além de conseguir o feito de ser o quarto álbum mais vendido de 1980. Eu poderia citar alguns álbuns desse ano. Porém, vou te deixar curioso agora e ir matando essa curiosidade com os nossos próximos posts. Seus singles “It’s Still Rock and Roll to Me” e “I Don’t Want to Be Alone” são os pontos altos do álbum. O primeiro em sua letra, que relata a realidade do começo dos anos 80. Falando dos punks e da Disco Music e sobre estética do rock. Já o segundo é uma sonoridade leve e rítmica que define uma das facetas de BJ com seu vocal variando em agudo e um grave rasgado. O disco tem momentos de rock e outros que o saxofone come solto. Não vou te dar spolier das melhores partes. Deixa de ser preguiçoso!

Glass House é a melhor desculpa que você terá para ouvir BJ. Esse desconhecido para muitos tem 6 Grammy de 23 indicações. Está em todos Hall of Fame possíveis. Em 2013, Joel recebeu o Prêmio Kennedy, a maior honraria estadunidense por influenciar a cultura americana através da arte. Chega! Tem que ouvir! Vendeu 150 milhões de cópias. Emplacou hits de 70 a 90. Deixo como dever de casa: 1. “Piano Man”, um dos maiores hits dele. 2. Voltar aqui para comentar sobre esse encontro. Vai sem medo!

Autor: lusquinhos87

Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer. Pra poder me livrar do prático efeito. Das tuas frases feitas, das tuas noites perfeitas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s