O Lamento Barítono de Um Ícone do Rock Alternativo – 60 Anos de Michael Stipe

John Michael Stipe é uma das figuras mais icônicas da aurora alternativa, tão forte nos anos 80/90, e que deixa seus traços até hoje. Vocalista da lendária banda R.E.M, tornou-se um dos frontmen mais icônicos do Rock mundial, e hoje completa seus 60 anos.

Desde os primórdios do grupo, ainda como uma promessa no circuito das “rádios universitárias”, a voz do garoto que, segundo o guitarrista Peter Buck “comprava os discos mais estranhos”, à época um murmúrio, coloria aquele som cru de discos como “Murmur” (1983″ e “Reckoning” (1984), mas já com dicas do que viria a seguir.

A banda, que já era quase um equivalente aos Smiths americanos, alçaria voos inimagináveis na virada da década, com “Out Of Time” (1991) e “Automatic For The People” (1992), e deixariam o cult para se tornarem grandes estrelas mundiais. O caráter misterioso de Stipe, além de uma mão ímpar para canções e melodias belíssimas, atraíam, para o bem e para o mal, todos os holofotes.

Já as vozes de uma geração, o R.E.M recusou-se a desacelerar, atravessando décadas, e se reinventando em pérolas como “Review” (2000) ou o agressivo “Accelerate” (2008). Seu fim veio em 2011, quando, bem, já tinham entregado tudo e mais um pouco ao mundo, num adeus honestíssimo.

Desde então, Stipe vem lançando pouquíssimo material musical e focado em outros dotes artísticos, com ocasionais singles e participações, mas sua influência é inegável. Idolatrado por nomes como Kurt Cobain e Thom Yorke, é o ícone de uma geração que jamais será esquecida!

Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário