O Musical Maluco de Frank Zappa – 35 Anos de “Thing-Fish”

A mente de Frank Zappa é, até os dias de hoje, impossível de se decifrar. Em 1984, em mais um desses acessos criativos, ele resolve se aventurar na área dos musicais, com uma trama completamente satírica e absurda, nunca encenada em vida, e lança o divisor de opiniões “Thing-Fish”, que hoje completa 35 anos.

Então, basicamente, um príncipe do mal cria uma doença que deveria erradicar os Negros e Homossexuais. O teste é feito em prisioneiros, que se tornam os “Mammy Nuns”, colocados para performar peças de teatro semelhantes aos ridículos tempos de “Blackface”, que agrada muito o casal de Harry e Ronda, uma boneca sexual trazida à vida. Mais uma das maravilhosas sátiras sociais de Zappa! Os personagens são aqui performados pelos próprios músicos de Frank, como Terry Bozzio e Ike Willis, de maneira propositalmente estilizada e esdrúxula.

A parte musical, é uma grande colagem de canções já gravadas (ou compostas) por Zappa nos álbuns “Zoot Allures”, “Tinseltown Rebellion” e “You Are What You Is”.

A salada se inicia com um som Hard Rock, no monólogo “Prologue” e em “The Mammy Nuns”. O “Doo-Wop Rock” de “Galoot Up-Date” e “The ‘Torchum’ Never Stops” são outros grandes destaques do disco 1, recheado também de momentos hilários como a eletrônica “He’s So Gay”, ou o Reggae Oitentista “Mudd Club”.

“The Crab-Grass Baby” abre o segundo disco com a orgia Synclavierística de Zappa, com uma voz robótica bizarríssima, seguido pelo R&B lisérgico de “The White Boy Troubles”.

O encerramento é uma espiral, lotada de sintetizadores em “Drop Dead” e a funky “Won Ton On”, culminando, na peça, em um ato coletivo que, bem, dá para imaginar, não?

“Thing-Fish” é um disco para fãs de Zappa. Não espere um passeio no parque, ou uma de suas grandes obras-primas, mas sim um álbum insano e divertidíssimo, à sua própria maneira. Nesse dia, que seria também o aniversário do maestro, nada melhor do que prestar um tributo a mais uma de suas grandes pirações musicais!

Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário