75 anos de Dennis Wilson: O Beach Boy mais subestimado

O dia 4 de dezembro é um dia especial mas também triste para os fãs da lendária The Beach Boys, uma das maiores entidades da música Pop e Rock americana, pois um de seus integrantes, mais precisamente, o baterista, cantor e compositor Dennis Wilson faria aniversário, especificamente 75 anos de vida hoje, caso ainda estivesse entre nós.

Dennis foi por pouco mais de 20 anos, adorado como baterista do Beach Boys, onde participou ativamente nos períodos mais férteis e de maior genialidade do grupo. Ele também tinha um estilo de vida muito particular no grupo, tinha característica de ser um cara rebelde, mulherengo, aventureiro, e era o único da banda que realmente sabia surfar. Curiosamente, Dennis nunca soube tocar nenhum instrumento antes da ascensão do conjunto, mas em poucas semanas conseguiu se virar no instrumento, e deu conta do recado muito bem, até os anos passarem e ele ser substituído pelo músico de estúdio Hal Blaine, e passou a se dedicar mais aos vocais e composição. Outra observação bem legal é que Dennis foi o responsável em sugerir o tema “Surfin” para o primeiro single da banda, com o qual sem isso, não é exagero dizer que os Beach Boys poderiam até nem existir, ou pelo menos não como o conhecemos hoje.

Em 1968, Dennis teve um inusitado envolvimento com Charles Manson, o líder da terrível seita psicopata que orquestrou uma série de crimes brutais em 1969. Dennis ficou encantado com Manson, que na época, era um aspirante a cantor e compositor, e chegou até mesmo a convidá-lo para morar em sua mansão por um tempo. O baterista conseguiu até convencer o Beach Boys a gravar uma música composta por ele, originalmente chamada “Cease to Exist”. A banda retrabalhou a canção e a gravou com o nome “Never Learn Not to Love”.

Assim como acontecia com Ringo Starr na banda “rival” The Beatles, Dennis só tinha direito a fazer os vocais principais em uma música por disco. Mas conforme os anos 60 iam passando, o talento para composição começava a florescer cada vez mais em Denny. Mesmo ofuscado pelos irmãos mais talentosos (Brian Wilson e Carl Wilson), ele conseguiu compor e gravar tocantes e marcantes canções que foram lançadas nos discos espetaculares que a banda lançou na época como “20/20” (1969), “Friends” (1968), “Sunflower” (1970), “Carl and the Passions” (1972) e “Holland” (1973). Um dos casos mais especiais é com “Forever”, que tornou-se um hino entre os admiradores do grupo, e considerada uma das composições mais emocionantes de Dennis.

UNSPECIFIED – CIRCA 1970: Photo of Dennis Wilson Photo by Michael Ochs Archives/Getty Images

Infelizmente, depois de uma carreira de sucesso, Dennis começou a se afundar cada vez mais, tendo sérios problemas com bebidas, cigarros, mulheres e má administração financeira. Na segunda metade dos anos 70, reuniu forças e gravou um LP lindíssimo chamado “Pacific Ocean Blue” (1977), que hoje é considerado por unanimidade como o melhor disco solo dos Beach Boys. Em seguida, começou a trabalhar em “Bambu”, mas infelizmente, este álbum nunca chegou a ser lançado enquanto Dennis esteve vivo.

De forma triste, os últimos anos da vida de Dennis foram mais marcados por alcoolismo, doenças e problemas de afastamento dos Beach Boys, que acabaram resultando em sua morte precoce após se afogar aos 39 anos, no dia 28 de dezembro de 1983. Mesmo com sua partida, todos os fãs dos Beach Boys ainda lembram de Dennis com muito carinho, e seu trabalho solo foi e continua sendo até hoje redescoberto e muito admirado graças a sua profunda e intensa carga e honestidade emocional.

Abaixo, uma das mais belas canções solo:

Anúncios

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Deixe um comentário