40 anos de “Night In The Ruts”: O ótimo porém esquecido disco do Aerosmith

Há 40 anos atrás, uma das maiores bandas da história do Rock americano lançava um ótimo disco, porém com o tempo acabou de certa forma até injusta, caindo no esquecimento do grande público: “Night In The Ruts” (1979).

É verdade que as circunstâncias em que este disco foi concebido e lançado também contribuíram muito para isso, afinal, nessa época, a banda estava passando por momentos violentamente turbulentos de vícios em drogas, e relacionamentos super conturbados, que finalmente acabaram empurrando o guitarrista Joe Perry para o limite, que mesmo tendo gravado a maioria das partes de guitarra do álbum, no final, já esgotado de tudo aquilo, acabou sumindo do mapa e saindo do grupo, e a carga de trabalho restante de guitarras teve que ser toda finalizada por seu parceiro de seis cordas, Brad Whitford, além de terem contratado Richie Supa, Neil Thompson, e também Jimmy Crespo (Que mais tarde se tornou o substituto oficial de Joe).

No entanto, mesmo com todos esses empecilhos, o Aerosmith ainda reuniu forças para gravar um ótimo e digno disco de Rock And Roll, onde algumas músicas realmente soam convincentemente como o Aerosmith clássico, e que merecem destaques. O álbum já inicia com gás total com três pauladas sensacionais de “No Surprize” (Clássico tardio e música mais conhecida do álbum), “Chiquita”, um Rockão incrível que mais parece um híbrido perfeito entre o peso visceral do Led Zeppelin, com o groove roqueiro dos Rolling Stones (Para acentuar ainda mais isso, destaca-se os metais alá “Brown Sugar” na faixa), e o Hardzão blueseiro “Cheese Cake” que conta com um trabalho fantástico de guitarra slide de Joe Perry.

Em “Three Mile Smile”, temos um ótimo Funky Rock que alterna de forma brilhante momentos de peso e groove, e uma ótima performance guitarristíca do novato Jimmy Crespo, para logo na sequência, emendar sem interrupções com um incrível Bluesão em “Reefer Head Woman”, que possui uma performance espetacular de Steven Tyler nos vocais e na gaita, e um solo de guitarra simplesmente arrepiante de Joe Perry. O riff poderoso de “Bone To Bone” na abertura abre as alas para uma faixa pesada e frenética, e na parte final do disco, nossos ouvidos são presenteados com um estupendo cover de “Think About It” dos Yardbirds, com um desempenho matador de Brad Whirford na guitarra, e a bela e inspirada balada “Mia”, com elementos que a poderiam ter tornado um clássico do nível de “Dream On” e “You See Me Crying” (O que infelizmente e obviamente não ocorreu).

“Night In The Ruts” está muito longe de ser um clássico do calibre de “Toys In The Attic” (1975) ou “Rocks” (1976), mas ainda assim, é um ótimo disco que se fosse mais apreciado pelo grande público, com certeza todos chegariam a conclusão de que se trata de um álbum que não faz feio nenhum dentro da obra discografica do Aerosmith, muito pelo contrário, diga-se de passagem.

Anúncios

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Deixe um comentário