30 anos de “…But Seriously”: A consciência Pop de Phil Collins no auge

Há exatamente 30 anos, no sétimo dia do mês de novembro, um dos maiores ídolos da música Pop oitentista, Mr. Phil Collins, lançava um dos trabalhos mais importantes e significativos de sua carreira: “…But Seriously” (1989).

Phil Collins passou a década de 80 inteira se dividindo em dois para conciliar com maestria e de forma brilhante sua responsabilidade como band-leader de uma das maiores bandas de Rock Progressivo da história (Embora nessa época, o Genesis tenha se tornado uma banda totalmente Pop, e excelente por sinal) e de seu trabalho em sua ótima e muito bem sucedida carreira solo, cada vez mais repleta de hits sensacionais!

Phil decidiu terminar a década com chave de ouro, e lançou um disco que se tornaria uma caixinha de hits de sua trajetória. “…But Seriously” apresenta grandes e inspiradas canções com forte acento Pop, melodias cativantes e grudentas no bom sentido. Os destaques ficam para as faixas “Hang In Long Enough” (Abre os trabalhos num clima deliciosamente Pop com toques de R&B, num arranjo de metais incrível), a linda balada “Do You Remember”, grande clássico do repertório de Phil e um dos maiores êxitos do álbum. “Something Happened on the Way to Heaven” é uma das faixas mais cativantes da obra, com um irresistível balanço Pop, refrão animal, naipe de metais, um bacana solo de guitarra, e etc, onde encontra-se todos os elementos essenciais que resultam em uma canção Pop perfeita! A seguir temos a inspiradissíma “Colours”, que começa com uma bela e triste melodia cantada de forma suave por Phil, onde ele aponta o dedo para a segregação racial e a fome na África, para logo mais se transformar num daqueles Popzão pra cima com o selo Phil Collins de qualidade. Destacam-se aqui o excelente trabalho de guitarras, a batera forte e precisa de Phil (Que por sinal, tá tocando muito nesse disco), o arranjo dos teclados, e mais uma vez os metais dando um show á parte numa maravilhosa “viagem” de quase 9 minutos, é como se o tio Phil tivesse a intenção de trazer a atmosfera alegre do povo africano para a sua característica veia Pop, mas sem nunca perder o tom de protesto da faixa. Simplesmente brilhante!

Na sequência, temos a linda (E minha predileta) “I Wish It Would Rain Down”, uma inspirada balada Pop com elementos de Gospel, que conta com a participação luxuosa de ninguém menos que Eric Clapton nas seis cordas, demostrando todo o seu feeling arrepiante na guitarra ao longo da faixa. Em seguida vem a clássica e hiper manjada “Another Day In Paradise”, a grande balada e maior hit do disco, trata do drama dos desabrigados acompanhado de seu icônico riff de teclado na introdução, seguida de uma envolvente melodia.

Um dos grandes acertos de “…But Seriously”, é o sentimento mais orgânico que paira sobre a obra, que diferente do trabalho anterior “No Jacket Required” (1985) que contém uma sonoridade mais calcada no Synth, aqui temos o auxílio luxuoso de músicos feras como Nathan East, Pino Palladino, Steve Winwood, Eric Clapton, entre outros. “…But Seriously” pode ser considerado por unanimidade como o último grande disco da carreira de Phil Collins. Embora não seja perfeito e contenha algumas gordurinhas extras em seu desenrolar, é um álbum que dá muito bem para ser ouvido de cabo a rabo graças aos grandes e inspiradissímos momentos presentes aqui, com canções sensacionais que exalam o melhor que se pode ter no Pop, pois como diria o figuraça Biofa, só Paul McCartney possue uma consciência Pop que se equipara ao do nosso querido Phil Collins.

Anúncios

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Deixe um comentário