O voo para além do arco-íris: Scorpions mostra suas garras.

Após o fracasso de seu primeiro disco Lonesome Crow, de 1972, o Scorpions deu uma pausa de 2 anos e passou por uma profunda e importante reformulação em sua formação, tendo 3 dos 5 integrantes originais saído, ficando apenas Klaus Meine e Rudolf Schenker

Para assumir uma das guitarras, eles recorreram a Uli Jon Roth, que pertencia a uma banda chamada Dawn Road para terminar a turnê de lançamento de Lonesome Crow, após a saída de Michael Schenker para integrar o UFO. Roth aceita apenas terminar a turnê e depois voltaria para o Dawn Road.

Entretanto, a parceria Rudolf/ Roth funciona, e Uli chama Rudolf para entrar no Dawn Road. O mesmo ele faz com Klaus, com o qual Uli ficara impressionado com a sua potência vocal. E é com essa mescla entre as bandas, assumindo o nome Scorpions pelo fato de o acharem mais atrativo e impactante, que FLY TO THE RAINBOW era lançado há 45 anos, com a formação composta por Klaus Meine, Rudolf Schenker, Uli Jon Roth, Francis Buchholz (baixo) e Jürgen Rosenthal (batera).

A partir desse disco, na minha opinião, começa a melhor fase da banda, apesar do auge comercial ser nos anos 80. Em Fly To The Rainbow, o peso do grupo foi muito bem captado, coisa que no primeiro disco deixou a desejar. Já abre com uma das melhores e mais pesadas músicas do Scorpions que é “Speedy’s Coming”, um Hard Rock de primeira linha.

“They Need a Million” é uma música um tanto quanto confusa, inicia com um bonito dedilhado de violão depois ganha peso com uma levada num ritmo que lembra a música flamenca, influência de Uli Jon Roth. Por falar em Uli,a próxima música é cantada por ele, “Drifting Sun”. Uma bela música.

sco2

“Fly People Fly” é a típica balada do Scorpions com uma pegada Hard Rock, fórmula esta que eles utilizaram em muitas músicas. “This Is My Song” tem um solo de guitarra espetacular de Roth, com Jürgen Rosenthal mostrando serviço nas baquetas. Aliás, Rosenthal agrada muito a banda, porém é obrigado a sair após o lançamento deste disco para cumprir serviço militar – posteriormente, ele voltaria a tocar bateria em outra banda alemã muito interessante: o Eloy -.

“Far Away” é uma excelente música de Rock and Roll, que começa lenta e depois ganha corpo com um ótimo instrumental, pra mostrar como a banda era poderosa, e Uli Jon Roth mostrando o porquê de ser um dos melhores de sua geração.

sco3

A faixa título encerra o disco de forma espetacular, uma canção cheia de passagens instrumentais, com pitadas de Progressivo, mudanças de andamentos etc, dão aos seus quase 10 minutos o epíteto de uma das melhores músicas que a banda já fez. Vale a pena a audição.

Se você gosta dos Scorpions dos anos 80 tá valendo, mas se você não conhece essa fase da banda, posso te assegurar que você NÃO CONHECE O SCORPIONS!

A text By @lukaspiloto7twister

Anúncios

Autor: Luc Rhoads

Um grande apaixonado por música e aventuras. Carioca, estudante de Educação Física, professor de inglês e vascaíno doente.

Deixe um comentário