50 anos da explosão homônima de Blues Rock do Free

Após o fantástico Tons Of Sobs, os garotos do Free voltavam ao estúdio para gravar seu segundo disco, o auto-intitulado. FREE, e hoje está completando meio século de vida. Assim como no primeiro, surpreende a maturidade da banda, cujo is integrantes não tinham mais de 20 anos. Aqui ainda é possível botar a veia blueseira de Paul Rodgers, Paul Kossoff, Andy Fraser e Simon Kirke, apesar de já percebermos uma leve enveredada para o Hard Rock, algo que seria ainda mais notado em trabalhos posteriores da banda.

O disco abre com um dos maiores sucessos da banda, “I’ll Be Creepin” – sucesso entre aspas, pois o reconhecimento comercial do Free era praticamente nulo – seguido da espetacular “Songs Of Yesterday”, que segue a mesma linha de blues Rock da faixa anterior, com a voz de Rodgers sempre se sobressaindo. “Lying In The Sunshine” é uma bela balada com destaque para o lindo trabalho de violão de Kossoff. O peso é retomado com “Trouble On Double Time” a música preferida deste que vos escreve, uma faixa que sintetiza bem o que era o Free: um Blues pesado e agressivo sem perder a classe do gênero. A instrumental “Mouthful Of Grass” e a pesadíssima “Woman” seguem abrilhantando esta pérola desconhecida do Rock and Roll, com destaque maior para a segunda, devido ao assombro vocal causado por Paul Rodgers. QUE VOCALISTA! A seguir, “Free Me”, uma música densa, sombria e cadenciada, mais uma vez com Rodgers roubando a cena com uma estupenda interpretação. “Broad Daylight” e “Mourning Sad Morning” fecham magnificamente este álbum que infelizmente ocupa a prateleira dos desconhecidos, cabendo a nós, amantes da boa música LIBERTAR este documento monumental do Rock.

Anúncios

Autor: Luc Rhoads

Um grande apaixonado por música e aventuras. Carioca, estudante de Educação Física, professor de inglês e vascaíno doente.

Deixe um comentário