“The Heart of Saturday Night”: 45 anos da noite de sábado Jazzistica de Tom Waits

O começo da longa estrada do multimídia:
Tom Waits – The Heart of Saturday Night.O lançamento do segundo disco de Tom Waits mudou completamente a carreira do cantor. Ele que foi considerado o ultimo “Beatnik” da música a fazer sucesso. Com sua voz marcante e suas letras estranhas, que deram uma marca única a sua estética. Até o momento, o cantor só tinha lançado um disco o “Closing Time”. Com referencias para ao nome mais forte no movimento “Beatnik”, Jake Kerouc. Tom começa a criar um trampolim para lançar seu disco. A capa trás uma pequena referencia de um disco do Frank Sinatra (In the Wee Small Hours). A faixa titulo, fala justamente dos preparos, expectativas e possíveis acontecimentos que podemos passar em um sábado a noite. Enquanto a última faixa remete as noites de sábado das quais um fantasma de noites passadas vem nos visitar. Com uma receita praticamente infalível. O disco nos trás canções voltadas para Jazz. Um ouvido mais sensível vai captar influencias de outros ritmos de modo bem sutil. Porém, o Jazz acabou predominando o som de Tom Waits entre 73-83.

Marcado por uma sonoridade atmosférica o disco “The Heart of Saturday Night” vai te levar a ter uma sensação comum, para quem está diante de uma grande obra. Aquela sensação de familiaridade com o som vai fazer você ouvir as onzes faixas de modo agradável. Os empregos de garçom, entregador de pizza e porteiro de discoteca fizeram dele um observador da noite da Califórnia. O encontro dele anos atrás com Herb Cohen, conhecido por ser gerente da gravadora de nomes como Frank Zappa. Foi o casamento perfeito com a estética de bêbado e poeta que Tom Waits trazia, o que fez ele se transformar na figura “Cult” por dez anos. Ele chegou a abrir shows para Frank Zappa quando lançou seu primeiro disco. Você pode imaginar essa cena? Uma noite com Tom Waits e Frank Zappa. Isso aconteceu e foi extremamente importante para Tom Waits usar suas influencias como Jackson Browne, Stephen Stills, James Taylor entre outros nomes. Você pode ficar até curioso se perguntando. Onde estão? Porém ele garante que essas influências, estão lá. A figura de poeta bêbado construída nos shows somada com um humor único. Fazia de suas apresentações serem notórias, como na canção “San Diego Serenedade”. Eu poderia fazer um faixa a faixa desse disco e mesmo assim não conseguiria transmitir a experiência de ouvir essa obra-prima. O disco ainda conta com Fumblin’ with the blues e Please call me baby canções maravilhosas em letras e melodia.

O final do “verão das flores” e do idealismo coletivo deu lugar ao individualismo e o pessimismo. Os anos 70 revelou para o mundo a chegada de uma lenda. Talvez você não consiga ver essa grandeza na obra de Tom Waits. Eu te desafio a ouvir “The Heart of Saturday Night”, pois, depois de viver essa experiência dificilmente não dará continuidade a discografia e vai fazer parte da legiões de fãs dessa lenda da musica popular mundial/”cult”.

 

Autor: lusquinhos87

Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer. Pra poder me livrar do prático efeito. Das tuas frases feitas, das tuas noites perfeitas

Deixe um comentário