“Only Love Can Break Your Heart”: O canto triste e lindo de Neil Young

Hoje no quadro “As 100 melhores canções de todos os tempos”, trazemos uma das mais belas e inspiradas composições da carreira do gênio Neil Young: A lindamente triste “Only Love Can Break Your Heart”.

O lendário cantor/compositor começou a gravar o disco “After The Gold Rush” (1970), após a turnê “DéjàVu” ao lado da mítica banda “Crosby, Stills, Nash & Young”, o que infelizmente acabou se tornando uma jornada cansativa que fraturou o grupo. Havia boatos de que “Only Love Can Break Your Heart” havia sido escrita para Stephen Stills, que na época, havia irritado seus colegas de banda, referindo-se a eles como seus “cantores de apoio” no palco, mas Young mais tarde admitiu que era sobre um de seus outros colegas de banda, Graham Nash, que ficou de coração extremamente partido, depois de terminar o relacionamento com a maravilhosa cantora/compositora Joni Mitchell.

“Only Love Can Break Your Heart” é uma típica e singela canção Folk/Country que possui o arquetípico “trovador solitário e abandonado, com um violão”, e foi o primeiro single hit de Neil Young como artista solo a chegar no Top 40, alcançando o número 33 nos EUA. A música foi lançada também como terceira faixa do magnífico álbum “After the Gold Rush” (1970), e o single ainda continha uma versão da banda Crazy Horse de “Birds” (Em vez da versão solo de piano que está no disco) no lado B, o que aparentemente dizem que foi lançada acidentalmente por um erro da gravadora. A música foi bem elogiada como uma “canção aparentemente simples, que mostra considerável atenção aos detalhes na implantação de instrumentos, e com uma letra de cortar o coração”.

Com sua letra altamente dolorida e reflexiva, um trecho da qual acho que chega a ser atordoante de tão lindo é:

“I have a friend, I’ve never seen
He hides his head, inside a dream”.

“Only Love Can Break Your Heart” é sem dúvidas uma das mais profundas, lindas e melancólicas composições da vida de Young, e porque não dos anos 70 inteiro, e é também um dos maiores destaques do meu disco favorito deste genial cantor e compositor.

14/100

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Deixe um comentário