70 anos de Bruce Springsteen: “The Boss”

Ele ganhou vinte Grammys, quatro American Music Awards e um Oscar. Casou duas vezes e se tornou pai de três filhos. Tornou-se um porta-voz da classe trabalhadora dos Estados Unidos. O “Entre Acordes” abre as cortinas para homenagear Bruce Springsteen e seus 70 anos de vida.

Dono de uma voz marcante e de um carisma único o nosso homenageado começou sua paixão pela música depois que ganhou um vilão da sua mãe com 13 anos e logo, depois uma guitarra aos 16. O menino Bruce Springsteen já compunha algumas canções com o presente que sua mãe deu, entre elas “The Wish”. Nessa época ele foi auxiliado por Tex e Mario Vaynard, uma espécie de casa talentos que ajudava os jovens iniciantes na música. Com essa ajuda ele consegue entrar na sua primeira banda “The Castiles” e grava duas músicas e começa a fazer shows em bares. Depois de passar por uma etapa que muitos músicos consideram como uma verdadeira “escola”, que é tocar em clubes menores e bares. O Bruce Springsteen viria a assinar seu primeiro contrato com a Columbia Records através do auxilio de John Hammond, o mais que trouxe Bob Dylan para gravadora há uma década antes. �

Uma das maiores marcas do cantor esta em seus shows e junto com a energia que ele passa com sua “E Street Band”. Com a experiência que ele ganhou no final dos anos 60 cantando na noite. O “The Boss” como era chamado na época por seus amigos de turnês das suas bandas antigas. Chamou todos esses conhecidos e formou o que hoje conhecemos como “E Street Band”. Esse casamento perfeito e duradouro passou por momentos de altos e baixos juntos, como se espera de um matrimonio. Um dos momentos tristes desse casamento aconteceu em 2011, quando o saxofonista Clarece Clemons veio a falecer devido algumas complicações que teve após um AVC.  Um ano quase da morte de Clarece Clemons o “The Big Man” como era chamado. Seu sobrinho Jake Clemons assumi o saxofone da “E Street Band”. A banda não ficou somente ligada ao “The Boss”, já tocou com Paul Mcartney, Bob Dylan, Aretha Franklin e Lady Gaga. O currículo é enorme de parceria com grandes nomes da música e sem falar dos seus membros icônicos o guitarrista Steve Van Zandt.

O jovem menino de New Jersey que um dia declarou que seria “famoso” não esperava vender mais de 120 milhões copias de disco e estar no Rock and Roll Hall of Fame. Seus discos marcaram época e influenciaram diversos artistas dos anos 80. Sem falar também que no final dos anos 70, Bruce Springsteen estava sendo regravado por algumas bandas e artistas. Álbuns como “Burn to Run”, “The River” e “Born in The U.S. A” fizeram grandes sucesso. Inclusive o primeiro desses três citados entrou para lista dos “200 álbuns definitivos do Rock and Roll Hall of Fame”. Com canções alegres e com letras fazendo criticas a guerra do Vietnã e falando da classe operaria americana.

Bruce Sprinsteen se tornou um ativista sem ser piegas. Participou da canção “We Are the World” convidado por Michael Jackson e Lionel Richie cujos lucros estavam destinados a projetos beneficentes na África e entre outros movimentos ativistas.

 

Autor: lusquinhos87

Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer. Pra poder me livrar do prático efeito. Das tuas frases feitas, das tuas noites perfeitas

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s