50 anos do significado de “Roots Rock”!

O nome “The Band” já fala por si só. Os caras do Rock tipicamente americano (ou canadense?), “Americana”, como é comumente chamado. Há exatos 50 anos, a banda lançou o que, ao lado de “Music From Big Pink” (1968) é o seu disco mais icônico.

Aquele clima “alto astral”, pra cantar junto, é evidenciado aqui. Pérolas como “Across The Great Divide” (com um baita arranjo de metais), a pulsante “Rag Mama Rag” (sinônimo de Country Rock) passam aquela característica vibração Americana.

Mas, é o lado mais delicado que tanto brilha nesse trabalho. A épica “The Night They Drove Old Dixie Down”, uma balada de uma sensibilidade ímpar, com harmonias vocais de cair o queixo (impressionante como cada vocalista aplica seu caráter às músicas), um dos grandes clássicos do grupo, ou o lirismo de “When You Awake”, a viagem no sublime de “Whispering Pines”, passando pelo Folk, pelo Country, e umas pitadas bluesísticas mostram canções “espremidas” em sua essência, fruto, majoritariamente, da genial mente de Robbie Robertson.

Mas não falta “somzeira”. A potência da cozinha Levon Helm/Rick Danko é peça-chave em petardos como o clássico absoluto “Up On Cripple Creek”, “Look Out Cleveland” e “King Harvest (Has Surely Come)”, com o órgão marcante de Garth Hudson.

O clima criado pelo álbum é unico. Aconchegante, naquela aura “sulista rural do século XIX”, e com um de seus principais trunfos, afinal, os arranjos e canções atemporais.

“The Band” é o retrato de uma banda em pleno auge, inspiradíssima, e consolidando-se como uma instituição da música americana. Afinal, não é qualquer um que seu autodenomina “A BANDA”!

 
 
 

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário