O último voo: 45 anos da despedida do Traffic.

Em 1974, há exatos 45 anos, o Traffic lançava aquele que seria seu último disco (em 1994, a banda se reuniu e lançou um material inédito), porém, When The Eagle Flies marca a despedida de uma das bandas mais subvalorizadas do Rock.

Apesar de não estar no nível de alguns discos anteriores, When The Eagle Flies não merece as críticas pesadas que recebeu a época de seu lançamento, sendo tratado como um disco fraco e sem inspiração de uma banda que já não estava no seu melhor. O relacionamento realmente não estava dos melhores, após incansáveis turnês alguns problemas internos começaram a acontecer, o que causou a saída de Dave Mason, integrante da banda desde o seu início, que preferiu seguir carreira solo.

T3

De fato não era mais o seu auge, mas um grupo que é capitaneado por Steve Winwood e tem um bom letrista como Jim Capaldi nunca pode ser menosprezado. Têm boas músicas aqui, a começar pela simples e direta “Something New” que abre o disco, um pop dançante e divertido.

“Dream Gerrard”, a música mais longa do disco com 11 minutos de duração, lembra um pouco de Low Sparks Of The High Heeled Boy, não por semelhança sonora, mas sim pela qualidade e precisão da música, a típica faixa “já vale o disco”. ‘’Graveyard’s People’’ contém uma linha de baixo jazzística bem interessante (cortesia de Rosko Gee, baixista recrutado para este álbum), com o vocal de Winwood roubando a cena e uma flauta muito bem tocada por Chris Wood.

A seguir vem a música mais conhecida do disco “Waiting In The Wind” -conhecida pelo público por já aparecer em alguns shows da banda antes mesmo do lançamento do disco – uma música que lembra a primeira, porém mais rebuscada e encorpada. A linda balada Memories “Of A Rock ‘n’ Rolla” transmite um clima leve e suave, com a doce voz de Winwood acompanhada de um mellotron, bela melodia e harmonia.

T2

Um Jazz despretensioso e básico: assim que dá para caracterizar a faixa seguinte, “Love” talvez seja o ponto mais baixo do disco, não estando em sintonia com as demais canções, dando até a impressão de algo composto às pressas e por obrigação.

Já não podemos dizer o mesmo da faixa título que fecha o disco de uma forma muito interessante, apesar de soar um tanto quanto repetitiva em alguns momentos. Entretanto, nota-se um vocal esplendoroso de Winwood, mostrando o porquê dele ser um dos grandes vocalistas da música, além de um multi – instrumentista e compositor nato.

Podemos dizer sim que o Traffic estava realmente na descendente e que a banda realmente estava “pronta” para acabar de cada um seguir seu caminho, todavia não dá pra dizer que When The Eagle Flies é um disco fraco e sem inspiração. Ouça e comprove!

A text by @lukaspiloto7twister

Anúncios

Autor: Luc Rhoads

Um grande apaixonado por música e aventuras. Carioca, estudante de Educação Física, professor de inglês e vascaíno doente.

Deixe um comentário