70 Anos de um dos guitarristas mais únicos da história!

Mark Knopfler é um cara peculiar. Nascido em Glasgow, na Escócia, mas vivendo boa parte de sua vida na Inglaterra, desde cedo captou as mais diversas influências, do Jazz, Country, Folk, num verdadeiro caldeirão criativo.

Durante seus anos como professor de inglês, no início dos anos 70, maturou a técnica de tocar guitarra que se tornaria sua marca registrada. Muito inspirado no grande guitarrista de country Chet Atkins, é um adepto do chamado “Fingerpicking”, onde toca-se exclusivamente com os dedos, sem o uso de palheta. Essa característica e sua voz à la Dylan, moldariam o som de sua banda, que, bem, dispensa apresentações, o Dire Straits.

Com o Dire Straits, fez alguns dos trabalhos definitivos do Rock na virada da década de 70/80. Desde o disco homônimo, com o clássico incontestável “Sultans Of Swing”, um daqueles eventos na música que só acontecem num certo lugar, num certo momento, até um dos discos mais vendidos da história, “Brothers In Arms” (1985). Pode-se dizer que trata-se de uma discografia perfeita, até seu fim com “On Every Street” (1991).

Mas o cara nunca parou. Tanto durante quanto após os Dire Straits, emendou um projeto atrás do outro. A grande experiência Country ” The Notting Hillbillies” (que em 1990 lançou o excelente disco “Missing…Presumed Having a Good Time”), tocando guitarra e produzindo “Infidels” de Bob Dylan (uma grande influência de Mark), fazendo inúmeras trilhas de cinema (apenas ouçam a linda trilha do filme “Cal”, de 1984). Mas, um de seus álbuns mais especiais é sua parceria com um ídolo, Chet Atkins, no sensacional “Neck And Neck” (1990). Um deleite para os fãs de Country!

Além do mais, sustenta uma sólida carreira solo, contando com pérolas como “Privateering” (2012), de uma crueza maravilhosa. Seu senso artístico amadureceu ainda mais nesses anos. Basta ouvir seu último disco “Down The Road Wherever”, e comprovar que ele continua muito relevante.

De Bob Dylan à Chet Atkins, do Jazz ao Folk, Knopfler engloba todas essas coisas e muito mais. Aliando um estilo único de tocar a uma sensibiidade na composição poucas vezes vista. É um dos grandes Guitar Heroes da história do Rock, e olha que alcançar esse posto não é nada fácil!

Alguns dos discos recomendados:

Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário