Uma das melhores revelações do Soul Revival: “Black Pumas”

https://open.spotify.com/album/4KJGypBUe7ANibtri1msUe?si=rj4pMmzXS6qezrxzPeI2iA

“Black Pumas” soa como um nome de banda surgida no crepúsculo da era de ouro do Soul, quando o R&B se tornou mais corajoso, mais hostil e mais Funk. É um nome que evoca o mesmo dos “Panteras Negras”, o grupo ativista afro-americano que definiu protestos militantes contra o racismo durante o final dos anos 1960 e início dos anos 1970 – que não é coincidentemente o período em que o duo de guitarrista/produtor Adrian Quesada e o vocalista Eric Burton conscientemente conjurararam em seu disco de estréia de mesmo nome lançado este ano.

Em nenhum ponto de “Black Pumas”, Quesada e Burton fogem das influências do passado. “Fire” é pontuada com uma sessão de metais diretamente influenciada pela “Stax Records”, “OCT 33” encontra-se Burton inclinando-se conscientemente para um feeling animal alá Otis Redding. A faixa de abertura “Black Moon Rising” ecoa com classe e precisão toda a magia maravilhosa que o Soul transmitia em seus anos dourados. Mas “Os Pumas Negros” são muito espertos para sucumbirem somente a nostálgia pura.

Eles intencionalmente evitam as armadilhas que afligem os registros bem-intencionados do Soul retrô, favorecendo e desenvolvendo em seu som uma autenticidade própria. Pode-se perceber isso na maravilhosa (e minha preferida do disco) “Know You Better”, onde claramente temos a vibe Soul 70s mas soando como um R&B moderno, com classe e elegância.

Conforme o disco vai se desenrolando, vemos que os principais e melhores elementos para se agradar até ao mais exigente fã de Soul Music se encontra aqui: Melodias deliciosas e inspiradas, instrumental groovado, rápido e cadenciado na medida certa, com direito a naipe de metais incríveis e extremamente bem balanceados com uma “cozinha” impressionante. Mas obviamente que o grande destaque aqui é para a dupla Quesada e Burton, onde o primeiro demonstra uma técnica elegante e cheia de Funky, digna dos maiores guitarristas do gênero, e o outro exibe um show à parte, com uma voz maravilhosa e um timbre super marcante, muito inspirado por ícones como Marvin Gaye e Curtis Mayfiled.

O auto intitulado disco de estréia do “Black Pumas” pode ser considerado um disco extremamente maduro, onde o duo já chega batendo o pé na porta para mostrar a que veio. Quando terminei de ouvir esse álbum, a sensação que tive foi de ouvir um disco de Soul de uma trilha sonora de algum filme, exatamente como ocorreu na década de 70 quando saíram obras maravilhosas do gênero como “Shaft” (1971) de Isaac Hayes, “Superfly” (1972) de Curtis Mayfield, e “Trouble Man” (1973) de Marvin Gaye. Com essa estréia, os Black Pumas simplesmente apareceu do nada, mas pronto para atacar e mostrar que a Soul Music vive com muita dignidade ainda nos dias de hoje. Um excelente disco que se tivesse sido lançado nos anos 60/70 hoje estaríamos o tratando como um clássico do gênero, como de fato merece e espero que aconteça um dia!

  1. Black Moon Rising
  2. Colors
  3. Know You Better
  4. Fire
  5. OCT 33
  6. Stay Gold
  7. Old Man
  8. Confines
  9. Touch the Sky
  10. Sweet Conversations
Anúncios

Autor: Felipe Silva

28 anos, paulista, corinthiano, e o mais importante, consumidor compulsivo de música! Rock, Soul, Funk, Blues, Jazz, MPB, que a música boa seja exaltada independente de gênero. God bless you all.

Deixe um comentário