35 anos do início da maturidade do Depeche Mode

No ano de 1984, o Synth-Pop e a New Wave dominavam as paradas (A-Ha, Duran Duran, Soft Cell…). Entre elas, estava o Depeche Mode. Entretanto, eles se diferenciavam cada vez mais do resto do movimento, trazendo um som mais “dark” e experimental. Com o lançamento de “Some Great Reward”, eles atingiram a base do que seria a sonoridade da banda nos próximos anos, com uma crescente maturidade artística.

Essa imagem tem um atributo alt vazio; o nome do arquivo é ce2b17ee3cecbe62cfefca3e87e2e113.png

Esse som mais denso já nos é apresentado na abertura do álbum, a frenética “Something To Do”, com o já tradicional uso exacerbado dos sintetizadores, extremamente marcantes.

“Lie To Me” diminui o ritmo do disco, sendo cadenciada e hipnotizante, especialmente pelo lick de sintetizador, e a (aqui já madura) voz de Dave Gahan. Aqui, a banda dita muitos dos caminhos da vindoura música eletrônica (como uma espécie de Kraftwerk da década de 80).

O grande sucesso do disco é “People Are People”, a música responsável por projetar a banda no mercado americano. Com uma influência fortíssima da música industrial, um refrão grudento e uma mensagem direta, é um dos hinos do Synth-Pop.

A já espetacular “People Are People” fica até pequena perto de outras pérolas, como a balada “Somebody”, composta e cantada por Martin Gore, de maneira muito singela, uma canção em sua essência, se diferenciando do som vibrante e eletrônico do disco.

O “batidão” característico do Synth-Pop volta na clássica “Master and Servant”, que mostra a riqueza sonora do grupo, sendo, ao mesmo tempo, dançante e densa (com referências sadomasoquistas em sua letra). Aqui, a produção de Alan Wilder está inspiradíssima, adicionando elementos sutis, mas que tornam a música algo único.

“If You Want” é um dos momentos mais carregados de sentimentos do álbum, parecendo uma representação musical da ansiedade, com mudanças de dinâmica e uma melodia mais soturna. É uma das obras-primas de Wilder, uma das grandes usinas criativas da banda.

O disco se encerra com um clima ainda mais sombrio, em “Blasphemous Rumours”. Aqui, a produção é, mais uma vez, um destaque, há muito mais do que uma simples batida, e diversos efeitos sonoros circulam entre os canais, num trabalho meticuloso de Wilder e Gore.

“Some Great Reward” é, sem dúvidas, um dos grandes marcos da música eletrônica, e marca o início da maturidade e o encontro da identidade do som peculiar do Depeche Mode. Aqui, as composições de Martin Gore casam perfeitamente com os arranjos de Alan Wilder e a inesquecível voz de Dave Gahan. É, incontestavelmente, um clássico!

Essa imagem tem um atributo alt vazio; o nome do arquivo é some-great-reward.jpg
Anúncios

Autor: Caio Braguin

16 anos, baterista, aficionado por música (e todas as formas de arte) desde o berço. Música é minha vida!

Deixe um comentário